Guiné-Bissau: Igreja Católica não dá a bênção ao Presidente da República

As recentes declarações do Presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, visando o líder da Igreja católica na Guiné-Bissau estão produzir efeitos. Os representantes da Igreja Católica recusaram comparecer esta quarta-feira 5 de Janeiro na cerimónia de cumprimentos de novo ano, por considerarem que “não têm nada com a política”. Uma postura que responde aos ataques do chefe de Estado ao Bispo de Bissau.

A 30 de Dezembro, Umaro Sissoco Embaló acusou o Bispo de Bissau de estar a intrometer-se na política e advertiu com que os religiosos não terão qualquer influência no Palácio e muito menos a oportunidade de estar a elogiar o Chefe de Estado “como faziam com outros Presidentes da República”.

Embaló vincou ainda que se o Bispo Lampra Cá quiser fazer a política que se apresente numa formação política para receber um cartão “porque existem muitos dispostos a militá-lo”.

Cinco dias depois deste ataque, a Presidência da República integrou a Igreja Católica na lista das organizações da Sociedade Civil convidadas para os tradicionais cumprimentos de Ano Novo ao Chefe de Estado. Convite que a Igreja Católica recusou.

A Comissão Inter-diocesana de Comunicação confirmou e fundamentou a recusa do convite com as afirmações do chefe de Estado em como os religiosos não podem estar lá e Presidente não fala com o Bispo. “Foi o que ele disse há quatro dias. Se isso é verdade, nada justifica a presença do Reverendíssimo Bispo no Palácio”, sublinhou um dos responsáveis da Comissão.

Fontes na Diocese garantiram que a Igreja Católica transmitiu a sua posição ao chefe de Estado através da estrutura que entregou o convite. “Foi um não, sem qualquer hesitação”, sublinhou e reconheceu a crispação latente com o Presidente da República, tendo em conta que “não é a primeira vez que deixa impropérios à Igreja Católica”.

As afirmações do Presidente da República estão a ser alvo de criticas em várias franjas da classe política e social. Na Igreja Católica, o padre Augusto Mutna Tambá qualificou o Presidente da República de “um infeliz” que não percebe o “relevante papel” do Bispo nos meandros sociais, sobretudo pela sua preparação. Referiu também que se o Bispo candidatar, não só vai ganhar como também a sua eleição será transparente.

A decisão de não comparecer na Presidência foi aplaudida pelo jurista Luís Peti, que considerou a atitude da Diocese como um posicionamento justo de uma autoridade com respeito.

Umaro Sissoco Embaló criticara a Igreja Católica na sequência do encontro entre a Sociedade Civil e o Primeiro-ministro Nuno Gomes Nabian, com quem tem relações tensas há cerca de dois meses. A presença da Sociedade Civil na Primatura foi a resposta a uma solicitação manifestada pelo Chefe do Governo e à saída do encontro o Bispo serviu de porta-voz do grupo.

O padre Mutna Tambá destacou também a incoerência do Presidente da República sobre a ausência dos religiosos na política e questionou sobre a razão pela qual Umaro Sissoco Embaló tem no Conselho de Estado, e nomeado por ele, o imame central de Bafatá. “Não há como disfarçar o sentimento negativo de Umaro Sissoco Embaló contra a Igreja Católica”, disse.

One Comment

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

África do Sul trava entrada ilegal de moçambicanos no país

África do Sul trava entrada ilegal de moçambicanos no país

As autoridades sul-africanas impediram a entrada ilegal de 40 moçambicanos no seu território, por ocasião do regresso de várias pessoas…
Comissão Mista Angola-Brasil reúne-se entre março e abril

Comissão Mista Angola-Brasil reúne-se entre março e abril

A Comissão Mista Angola-Brasil vai reunir-se entre março e abril para impulsionar as relações de cooperação bilateral.  Esta foi uma…
Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

O Presidente da República de Timor-Leste, José Ramos-Horta, partilhou publicamente que o Brasil pode apoiar o seu país a tornar-se…
Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Os deputados do PAICV eleitos por Santo Antão alertaram nesta quinta-feira, 05 de janeiro, para a situação de abandono da…