Guiné-Bissau: Início da campanha para a liderança do PAIGC, oposição a DSP exige “democracia interna”

Guiné-Bissau sede PAIGC

Um grupo de cinco membros do Bureau Politico e Comité Central do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) endereçou uma carta ao presidente do partido na qual critica a direcção liderada por Domingos Simões Pereira (DSP), acusando o presidente de ter levado o partido às derrotas nas presidenciais, perda do Governo e o Parlamento.

Na carta, os subscritores manifestaram-se contra a possibilidade do partido avançar com a ‘Lista Única’ no próximo Congresso e exigiram ao presidente que permita que a democracia interna funcione. Não obstante, os subscritores enalteceram os sucessos, com o facto da direcção liderada por Domingos Simões Pereira ter imprimido maior noção da cidadania, atracção da diáspora aos interesses nacionais e resiliência nos momentos mais difíceis.

O Xº Congresso do PAIGC deverá ter lugar entre 17 a 20 de Fevereiro, mas já começou a mexer. Domingos Simões Pereira ainda não manifestou claramente que irá concorrer a um terceiro mandato, apesar de ter anunciado preteritamente que essa não seria a sua intenção. Mas tudo indica que poderá acontecer.

Já está a circular na internet uma petição intitulada “Apelo a Recandidatura do Eng. Domingos Simões Pereira a Presidência do PAIGC”, a qual terá sido lançada na diáspora, que já recolheu cerca de 1.170 assinaturas. Entre vários pontos, na petição, os promotores destacam que o líder do PAIGC “ganhou todos os embates eleitorais durante a sua liderança” e “valorizou a democracia interna, incentivando e incrementado, ao mesmo tempo a coesão interna”. Argumentos refutados na “Carta Aberta”, tornada pública a 13 de Janeiro.

Uma facção no PAIGC considera que poderá ser inevitável a candidatura a DSP a um terceiro mandato, uma inevitabilidade que poderá ter incitado críticos internos, e alguns potencias candidatos à liderança do partido, a difundirem a “Carta Aberta” como meio de evitar que se repita o que aconteceu em 2018, quando participaram 3 candidatos e Domingos Simões Pereira saiu vencedor.

Na “Carta Aberta” os subscritores começaram com uma radiografia e lembraram que, a vitória de Domingos Simões Pereira no Congresso de 2014 em Cacheu, foi uma conjugação de esforços de demais candidatos, incluindo Carlos Gomes Jr. que se juntaram à volta da sua figura para ser presidente.

Apesar de a “Carta Aberta” ser assinada por apenas cinco membros do Bureau Politico e Comité Central, conta com o apoio de outros potenciais candidatos à liderança do PAIGC e críticos dos resultados alcançados pelo PAIGC durante os dois mandatos de Domingos Simões Pereira, assim como insistem na “promessa” do líder do partido em como não concorreria a um terceiro mandato.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Angola: A Universidade de Coimbra organiza exposição integrada nas comemorações dos 50 anos do 25 de abril

Angola: A Universidade de Coimbra organiza exposição integrada nas comemorações dos 50 anos do 25 de abril

Uma mostra que reúne 50 capas dos jornais A Província de Angola, Diário de Luanda, Jornal de Angola, O Angolense,…
Moçambique: Tropas Sul-africanas da SAMIM iniciam retirada em Cabo Delgado

Moçambique: Tropas Sul-africanas da SAMIM iniciam retirada em Cabo Delgado

As tropas sul-africanas que integram a Missão da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral em Moçambique (Southern African Development Community…
“Nunca me senti um radical”, defende José Dias Fernandes, deputado eleito pela emigração na Europa pelo Chega

“Nunca me senti um radical”, defende José Dias Fernandes, deputado eleito pela emigração na Europa pelo Chega

José Dias Fernandes, de 65 anos, é empresário e está a estrear-se na Assembleia da República de Portugal como deputado,…
Angola considerada "prioridade fundamental" do Governo português

Angola considerada "prioridade fundamental" do Governo português

O novo ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Paulo Rangel, declarou que Angola continua a ser uma “prioridade fundamental e…