Guiné-Bissau: PNUD diz que a etnicização política aumenta durante os processos eleitorais

Os actores políticos e sociais guineenses estão reunidos em Bissau de 7 a 10 de Dezembro, na Conferência de Alto Nível sobre a Prevenção da Violência Eleitoral e melhores práticas e lições apreendidas na África Ocidental.

A ocasião serviu para o representante residente do Programa das Nações Unidas (PNUD) na Guiné-Bissau, Tjark Engenhoff, destacar  que tem registado na África Ocidental um aumento de tendências preocupantes e que requerem “a reflexão e consensos políticos” em vésperas de períodos eleitorais.

“As tendências recentes incluem a etnicização política, correspondentes a criação partidárias etnocêntricas que aprofundam as divisões políticas e gerem a desconfiança e falta de coesão social entre atores políticos”, alertou.

De acordo com o representante do PNUD, “essas tendências negativas, são agravadas durante os períodos eleitorais, principalmente quando os actores políticos e seus apoiantes recorrem à linguagem inflamatória, discursos divisionistas e estratégias deliberadas de intimidação eleitoral”.

Para a Ministra dos Negócios Estrangeiros, Suzy Barbosa, que presidiu o acto solene da Conferência, “estas atitudes, pouco dignam dos agentes políticos e até de cidadãos comuns que se proclamam de democratas, perturbam gravemente o ambiente democrático, na medida em que estimulam comportamentos tendentes à deposição, por meio violento ou por grave ameaça às instituições ou governo legitimamente constituído”.

“Pode-se definir como violência política qualquer tipo de agressão que tenha propósito de interferir na acção directa das lideranças políticas como limitar actuação, silenciamento, imposição de interesses” disse e adiantou que tais práticas, para além de serem indignas e inaceitáveis em democracia, são autênticos freios à consolidação da cultura democrática enquanto padrão comportamental dos estados civilizados”, referiu Suzi Barbosa.

A Conferência reúne representantes das Organizações da sociedade civil, partidos políticos, líderes tradicionais e religiosos, governadores regionais, organizações juvenis, organizações das mulheres. Uma iniciativa do Sistema das Nações, governo da Guiné-Bissau e Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que visa promover a partilha de experiências, diálogo franco e compreensão dos Conflitos relacionados com as eleições, garantir participação activa e significativa dos jovens, mulheres e líderes de associações na partilha das suas ideias.

Mamandin Indjai

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Cabo Verde: UCID comenta mensagem de Ano Novo do PR

Cabo Verde: UCID comenta mensagem de Ano Novo do PR

O líder da UCID, João Santos Luís, comentou nesta terça-feira, 03 de janeiro, a mensagem de Ano Novo do Presidente…
Brasil: Lula assina primeiros decretos para o novo governo

Brasil: Lula assina primeiros decretos para o novo governo

No dia em que assumiu a presidência do Brasil pela terceira vez, Luiz Inácio Lula da Silva assinou vários decretos…
Moçambique: Arrancou a edição de 2023 do Recenseamento Militar

Moçambique: Arrancou a edição de 2023 do Recenseamento Militar

Arrancou ontem, 03 de janeiro, em Moçambique, o processo de Recenseamento Militar edição 2023, sob o lema: “Recenseamento Militar: Promovendo…
Angola: PR aprova dívida adicional até entrada em vigor do OGE 2023

Angola: PR aprova dívida adicional até entrada em vigor do OGE 2023

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, aprovou uma dívida adicional de 2,6 biliões de kwanzas (4,8 mil milhões…