Guiné-Bissau: Presidente diz que o sistema actual tem de mudar para dar lugar a um país novo

O Presidente da República, José Mário Vaz, afirma que o problema da Guiné-Bissau reside na realidade da “percepção que os adversários” do progresso criaram junto de alguns parceiros externos.

Na sua mensagem de Ano Novo, esta segunda-feira, 31 de dezembro, o chefe de Estado guineense disse que a instabilidade governativa e os mal-entendidos na Guiné-Bissau ganham maior expressão a partir do exterior e com o apoio daqueles que não querem acompanhar a verdadeira realidade do dia-a-dia no país, sublinhando que na origem dos problemas que o povo guineense enfrenta está uma questão de ética na política, uma questão de moral e de valores, que para alguns desapareceram da arena política e agora prevalece a lei do “vale tudo”.

“Aqueles que até hoje, foram os únicos beneficiários continuam a lutar para manterem a todo o custo os seus privilégios face à maioria do nosso povo”

“Aqueles que até hoje, foram os únicos beneficiários continuam a lutar para manterem a todo o custo os seus privilégios face à maioria do nosso povo. São esses os adversários do progresso e da igualdade pela qual eu luto. São esses os que estão contra o “Mon na Lama” e o “dinheiro do Estado no cofre do Estado”, a fim de enfrentarmos os desafios do nosso tempo. São esses os que cozinham alianças externas em prejuízo dos reais interesses do nosso povo. São sempre os mesmos que denigrem a imagem externa do nosso país junto da comunidade internacional, criam o fantasma da instabilidade e provocam a humilhação externa do nosso país, do nosso povo, das nossas instituições e dos seus dirigentes. São esses irmãos que apenas olham para os seus interesses pessoais e de grupo” disse, implorando os guineenses que façam de 2019 o ano da “Consolidação do Poder Democrático”.

Por isso, José Mário Vaz espera que a vontade do povo que será expressa nas urnas, nas próximas eleições legislativas, seja um factor de “estabilidade e de unidade” e não de “contestação e perturbação da paz social” no país que “muito nos custou a construir”.

“Temos todos de trabalhar no único sentido de manter este clima de paz civil e segurança interna, antes, durante e pós eleições, pois é fundamental para o desenvolvimento do nosso país. Por este motivo, conto com o apoio de todos os guineenses, em especial das nossas mulheres e mães, dos nossos jovens e dos nossos irmãos que vivem na diáspora – este país é nosso e o destino depende de todos. Mas quero aqui deixar um apelo aos dirigentes do país de que a maioria da população é constituída por mulheres e jovens, que não estão a ser suficientemente valorizados” instou.

Para o Presidente a reforma constitucional permitirá a “eliminação de focos de instabilidade institucional e a clarificação do sistema de governo”

O chefe de Estado guineense voltou a defender a reforma constitucional que permita a “eliminação de focos de instabilidade institucional e a clarificação do sistema de governo, a fim de permitir que os guineenses se pronunciem directamente sobre o sistema de governação actualmente em vigor”, acreditando que as eleições legislativas sem reformas não representarão a “solução mágica” para os problemas políticos na Guiné-Bissau.

Por isso, Mário Vaz sugeriu que, após as eleições, impõe-se uma nova agenda nacional, porque “o problema da Guiné-Bissau não são as pessoas, mas sim o sistema de governo. O sistema actual terá de mudar para dar lugar a um país novo, aquele que inspirou o pais fundadores da nossa República, forjada na luta armada contra o colonialismo”.

Ainda no seu discurso, o Presidente da República, José Mário Vaz, realçou que o país continua a viver em clima de paz e estabilidade, sem qualquer “tumulto ou agitação”, e que a administração do Estado funcionou, durante o ano que agora termina, com regularidade, a sociedade prosseguiu a sua vida na acalmia e com serenidade, não há registo de violência ou de violação de direitos, assim como a actividade económica prosseguiu o seu curso normal, as actividades produtivas conheceram um incremento normal, nomeadamente a produção de arroz e da castanha de caju.

Referindo-se ainda aos ganhos registados em 2018, Mário Vaz afirma que o país deu um passo significativo no sentido de garantir a representação equitativa entre homens e mulheres, com aprovação da lei que garante a quota mínima de 36% de representação das mulheres a nível de cargos elegíveis, sobretudo na Assembleia Nacional popular e no Governo.

“O ano de 2018 foi o ano marcado pelo diálogo e pela liberdade, e eu, enquanto Presidente da República, estou certo que esta foi a melhor via para aproximar mais os guineenses. É chegada a hora de nos entendermos como irmãos, e cada um deve colocar todo o seu saber ao serviço do nosso país e do nosso povo. Nem tudo nesta vida é fácil, mas com certeza nada é impossível. Temos de confiar mais em nós próprios e com sentido patriótico, devemos juntos virar a página e dar início a uma nova fase na história da Guiné-Bissau” disse o chefe de Estado, José Mário Vaz.

Tiago Seide

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Na Diocese de Tacna e Moquegua, que cobre uma vasta área na região do Altiplano, entre os Andes e o…
Cabo Verde: Júlio Correia solicita desfiliação do PAICV

Cabo Verde: Júlio Correia solicita desfiliação do PAICV

O militante de longa data do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, PAICV, Júlio Correia, solicitou a sua imediata…
Namíbia: Governo e UNICEF vão promover acesso gratuito à internet nas escolas

Namíbia: Governo e UNICEF vão promover acesso gratuito à internet nas escolas

Duas mil e duas escolas estão mapeadas para beneficiar do Projecto Giga do Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF)…
Artista plástico Miranda Brito expõe "Tramitações de Vidas" até ao final do mês

Artista plástico Miranda Brito expõe "Tramitações de Vidas" até ao final do mês

O artista plástico Miranda Brito expõe, na Biblioteca Municipal de Setúbal, “Tramitações de Vidas”. A exposição, inaugurada no passado dia…