Guiné-Bissau: Quadros do MADEM querem eleições antecipadas ou a demissão de Nabiam

GB Madem G15

Quadros do Movimento para a Alternância Democrática (MADEM) concluíram que após mais de um ano de governação, o partido não teve qualquer benefício, por isso a melhor solução será abandonar.

Em conferência de imprensa, para esclarecerem sobre o seu posicionamento perante às últimas movimentações no partido, os Quadros do partido denunciaram que, ao longo do período de governação, têm ocorrido nomeações e exonerações sem que os órgãos do partido sejam consultados. Consequentemente, os quadros impuseram 72 horas ao presidente do partido, Braima Camará, para oficializar a saída, sob risco de ver uma intensificação das disputas internas. De momento, os quadros do partido afastam qualquer possibilidade de constituir uma nova maioria, mas querem a convocação de novas eleições legislativas.

A manhã desta sexta-feira 28 de Maio foi muito agitada na sede do MADEM. Um dia depois da exoneração do deputado, e um dos fundadores do MADEM-G15, Bamba Banjai, como Director-Geral da INACEP, os quadros decidiram pôr um ponto final no que consideram ser um “abuso de confiança”.

Após lembrar que o MADEM é o partido com mais peso na coligação, Aliu Cassamá, Secretário Nacional dos Quadros do partido, disse que já não estão em condições para “aturar essa situação”, tendo em conta que o grosso das decisões que são tomadas na governação passa à margem dos órgãos do MADEM.

“A nossa determinação é esta. O partido tem órgãos, e são eles é que devem pronunciar sobre qualquer assunto na governação. Não é isso que tem acontecido e não podemos aceitar”, disse Aliu Cassamá.

Cassamá afirmou ainda que o MADEM está a perder aos poucos o espaço que tinha obrigação de preencher na aliança, porque desde Março de 2020 defenderam a estabilidade e paz social, com cedências para os parceiros do acordo, mas os seus parceiros fazem o contrário.

“Depois da formação do Governo ouvimos tudo. Ouvimos que, o partido não tinha recebido nada, mesmo depois da sua vitória eleitoral. Não tínhamos pastas que podiam motivar dirigentes e militantes, mas aceitamos em nome de paz e estabilidade. Infelizmente, nos últimos tempos, vimos que o partido está a perder espaço e protagonismo na aliança, enquanto é o partido que sustenta o Governo”, explicou.

Recordou também que na remodelação governamental poderia ter saído mais beneficiado, mas voltaram a perder pastas em nome de estabilidade e coesão social. “Como se isso não bastasse, vimos que decisões são tomadas a nível do Governo e o Coordenador Nacional do partido não é consultado. É uma situação dolorosa. Fomos às bases ouvir os dirigentes e militantes e eles disseram que estavam a sofrer. A juventude não tem bolsas, não tem empregos. Isso criou um mal-estar no partido. Não podemos ter essa posição e não dizer nada”.

Cassamá considera que Braima Camará é responsável da situação, tendo em conta a sua postura de viabilizar o acordo. “As pessoas decidiram aproveitar-se dessa condição para abusar. Por isso, estamos aqui hoje para dizer que o partido não ficará à mercê de ninguém que não seja os órgãos”.

Para Aliu Cassamá a intenção e o desejo é deixar a aliança, porque traz benefícios nem proveitos para o MADEM. “O Presidente da República era o candidato do MADEM; a actual vice-presidente da ANP é do MADEM. Todos os instrumentos foram aprovados graças aos esforços do MADEM. Por isso, não se pode estar a tratar o partido como aquele que não tem representação. Queremos a retirada em 72 horas. Que se convoque os órgãos para a tomada de decisão. Os Quadros do partido vão juntar-se a outros para ir as eleições. O cerco está apertado e se ficarmos parados, amanhã não teremos nada para dizer o nosso eleitorado”.

Ao logo da conferencia de imprensa foram citados pelos Quadros vários exemplos que sustentam que o MADEM tem sido “extremamente prejudicado” desde início deste processo. José Nuno Té, dos Quadros do partido, que definiu o actual executivo como “geringonça de desgraça, de sofrimento e de inferno vermelho”, questionou sobre quais foram os ganhos que alguém pode apontar ao MADEM nesta coligação. Perguntou também como é que o MADEM não pode liderar o Governo, se na coligação é quem tem mais deputados e consegue ainda trazer outras vantagens. “São 27 deputados do MADEM. Temos o controlo dos 5 deputados do PAIGC. Se isso é verdade, porquê é que não podemos liderar o Governo”, questionou acrescentando que foi um erro deixar que Nuno Nabiam recebesse a chefia do Executivo.

Para os Quadros a decisão está tomada. O MADEM vai sair do Governo, porque tanto os Quadros como os Jovens, que este sábado devem promover um evento publico semelhante à conferência de imprensa de hoje, exigiram e Braima camará deu garantias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: Nyusi reúne-se com homólogo sul-coreano

Moçambique: Nyusi reúne-se com homólogo sul-coreano

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, reuniu-se à porta fechada com o homólogo sul-coreano, Yoon Suk-yeol, nesta segunda-feira, 03…
Brasil: Seminário on-line vai discutir “diálogo e cooperação” entre as Bibliotecas Nacionais do Brasil e dos PALOPs

Brasil: Seminário on-line vai discutir “diálogo e cooperação” entre as Bibliotecas Nacionais do Brasil e dos PALOPs

Na próxima quinta-feira, dia 6, a partir das 10h, a Fundação Biblioteca Nacional (FBN), entidade vinculada do Ministério da Cultura…
Moçambique: Rasaque Manhique encoraja jovens a apostar na formação e no empreendedorismo

Moçambique: Rasaque Manhique encoraja jovens a apostar na formação e no empreendedorismo

O Presidente do Conselho Municipal de Maputo, Rasaque Manhique, procedeu, no final da semana passada, ao lançamento do programa “Capacita…
Cabo Verde assina Memorando de Entendimento com Coreia do Sul

Cabo Verde assina Memorando de Entendimento com Coreia do Sul

Cabo Verde e a Coreia do Sul assinaram um Memorando de Entendimento no domingo, 02 de junho, em Seul, capital…