Guiné-Bissau: Sectores do Governo violam medidas impostas pelo executivo

As medidas de restrições apresentadas pelo Alto Comissariado para a Covid-19 ao Governo, no quadro do estado de calamidade de 11 a 25 de Setembro, não foram levadas em consideração por sectores do executivo. O Governo recusou impor o recolher obrigatório, bem como não determinou o cerco sanitário que interditaria a circulação entre regiões.

A decisão do Governo, de não ter em consideração as propostas técnicas, deve-se à pressão social que foi despoletada com adopção do penúltimo estado de calamidade, ao ponto de o Governo ser forçado a levantar as medidas a meio do mesmo.

O Alto Comissariado, em nota enviada ao Primeiro-ministro (PM), destacou que é notório que alguns sectores do Governo continuam a violar as medidas de restrições o que fragiliza o combate eficaz à Covid.

No ofício do Alto Comissariado (AC), dirigido ao chefe do Governo Nuno Gomes Nabian, com assunto ‘Decreto de Estado de Calamidade’, consta que na sequência da reunião presidida pelo próprio e na qual participaram o AC, Ministério da Saúde e COES “recomenda-se a manutenção do Estado de Calamidade em vigor por um novo período de 15 dias”.

Como fundamento, o AC evocou os dados epidemiológicos partilhados com o Primeiro-ministro durante a reunião, e de acordo com a escala de aplicação de medidas sociais e de saúde pública para a contenção da pandemia.

O Alto Comissariado para a Covid-19 evita provocar polémicas mas alerta que, todas as suas recomendações seguem as determinações da OMS e África DC. “O Alto Comissariado continua a constatar com enorme preocupação que certos sectores do Governo têm persistido na violação de medidas impostas pelo Governo, o que fragiliza sobremaneira o combate e enfraquece a autoridade do Estado em, fazer cumprir as medidas restritivas, penosas, mas necessárias nestes tempos anormais em que vivemos”, lê-se na nota do AC dirigida ao Chefe do Governo.

No balanço quando se aproximava o final do penúltimo estado de calamidade, a Alta Comissária, Magda Robalo reforçou a convicção de que o cerco sanitário é uma das medidas mais eficientes para travar a circulação do vírus, tal como o recolher obrigatório. Em contrapartida a essa negação, o Governo apenas impôs o uso obrigatório das máscaras e interdição da aglomeração. Magda Robalo considera insuficientes as adoptada de facto pelo Governo medidas e desatacou que é notório que nos últimos dias os guineenses voltaram a relaxar no uso de máscaras, que uma parcela importante da população não tem meios para comprar diariamente uma mascara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: Governo vê inverno como ponto de não retorno no turismo

Cabo Verde: Governo vê inverno como ponto de não retorno no turismo

O ministro do Turismo de Cabo Verde, Carlos Santos, admitiu que com a retoma em curso da procura de turistas,…
EUA terminam segundo treino militar conjunto em Moçambique

EUA terminam segundo treino militar conjunto em Moçambique

Os Estados Unidos da América (EUA) concluíram em Moçambique o segundo treino militar conjunto face à ameaça terrorista na província…
Moçambique: Frelimo recolhe subsídios para reabilitar deslocados

Moçambique: Frelimo recolhe subsídios para reabilitar deslocados

A Frelimo, partido no poder, reuniu-se com representantes das denominações religiosas de Moçambique para colher subsídios que possam contribuir para…
Portugal conta com mais seis mortes e 1.058 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal conta com mais seis mortes e 1.058 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

O boletim epidemiológico, divulgado pela Direção Geral da Saúde esta terça feira, refere que o número de casos confirmados de…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin