Guiné-Bissau: Sissoco ameaça demitir Nuno Nabian e não poupa Braima Camará

GB USE Umaro Sissoco Embalo

O Presidente da República (PR) da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, disse este sábado que não tinha qualquer dificuldade em demitir Nuno Gomes Nabian do cargo de Primeiro-ministro, tendo em conta que este não assumira essa função através de uma vitória eleitoral.

Em reacção a polémica instalada sobre a retenção da aeronave, de proveniência desconhecida, Umaro Sissoco Embaló, disse que Nuno Gomes Nabian não se deve dar ao luxo em o desafiar, porque há uma linha vermelha que não deve pisar.

Na mesma reacção, o PR não poupou Braima Camará, coordenador do Movimento para Alternância Democrática (MADEM) com quem as relações têm, aparentemente, piorado nos últimos tempos. O PR afirmou que, sabe que o deputado José Carlos Macedo foi orientado por alguém para lhe insultar, numa alusão às revelações feitas no parlamento em como foi o Gabinete do PR que pediu a aterragem do aparelho suspeito, e que, o seu confronto não será com o denunciante, mas sim o mandatário.

Sobre o avião da polémica, com revelações por vezes contraditórias, o PR avançou que os proprietários são sérios, não revelando todavia a sua identidade. Porém, começou por afirmar que não tinha conhecimento da vinda da aeronave e só a viu quando deslocava para Escócia para participar na COP 26.

Segundo o chefe de Estado nem o ministro do Interior ou o da Defesa, com quem falou na altura, sabiam da proveniência do aparelho. Disse que soube da presença do aparelho através do presidente da Mauritânia, na própria Cimeira, quando aquele lhe disse que o aparelho estava no país para a instalação de um hangar de reparação dos aviões na costa Ocidental da África. Conforme avançou, o presidente da Mauritânia dissera que escolheu a Guiné-Bissau, porque os países como Gâmbia e Guiné Conacri, não podem receber o aparelho.

A opção da Gâmbia terá sido afastada devido às eleições em Dezembro e Guinée Conacri também, porque está com problemas internos. O PR adiantou também que, antes da chegada do aparelho, o seu Chefe de Gabinete manteve encontros com o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea e o Presidente do Conselho da Administração da Autoridade da Aviação Civil da Guiné-Bissau. “Quando o Presidente da Mauritânia falou comigo, liguei de novo para o ministro do Interior e disse-lhe, olha afinal, é apenas um problema de lapso. As pessoas sabiam daquilo, não sei porque é que não contaram. Estamos a falar de um projecto rentável para a Guiné-Bissau. Vai dar dinheiro a Força Aérea, a Defesa”, contou o PR.

Explicações que não coincidem com as fornecidas pelo Governo. Em Conselho de Ministros presidido por Nuno Gomes Nabian, e que contou com a presença dos ministros do Interior e da Defesa, afirmaram que desconheciam a proveniência do aparelho, tendo o Governo decidido instituir uma Comissão de Inquérito para apurar as circunstâncias da aterragem do aparelho.

“Aguardem para o dia 17, vão ver a decisão que vou tomar”

Na mesma ocasião o Presidente disse que não há ninguém que pode de impedir a aeronave de descolar, basta ele querer. Assegurou que está a ser objecto de muita pressão dos parceiros da coligação que o apoiou, porque mantém a determinação de lutar contra a corrupção.

“Sabia que os meus problemas enquanto PR teriam início no meu campo. Porquê? Porque a promessa que fiz na campanha com vassoura na mão, está a ser cumprida. Vou lutar contra a corrupção e tráfico de droga. É isso que está a acontecer e que está a irritar as pessoas. Alguns deles chegam junto de mim, para dizer, Presidente fechaste tudo e não deixas nenhum buraco. Buraco comigo? Esqueçam. Portanto a irritação na aliança deve-se a isso”, declarou o PR.

Umaro Sissoco Embaló não tem dúvidas que todo o ruído que em torno do aparelho, tem apenas uma finalidade: desviar atenção das pessoas sobre a droga. “Mas não vai acontecer. Aguardem para o dia 17, vão ver a decisão que vou tomar. É dentro de dias. Chega. Não podemos continuar assim e não há problema algum de irmos as eleições. Mas, escrevam uma coisa: Koumba Yalá foi o último Presidente vítima de golpe de Estado e Nino Vieira, foi o único morto nas funções. Acabou tudo isso, enquanto eu for PR”, ameaçou o chefe de Estado.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Goa: Membro da Assembleia Legislativa junta esforços pelo meio ambiente

Goa: Membro da Assembleia Legislativa junta esforços pelo meio ambiente

Sankalp Amonkar, membro da Assembleia Legislativa de Goa, apelou a nove vereadores da Assembleia para se juntarem a ele na…
Angola considerado país "não livre" pela Freedom House

Angola considerado país "não livre" pela Freedom House

Angola está entre os países considerados “não livre” no respeito pelos direitos políticos e liberdades civis, de acordo com a…
Macau: Quase 26 mil não residentes foram contratados nos últimos 12 meses

Macau: Quase 26 mil não residentes foram contratados nos últimos 12 meses

Os dados divulgados, esta semana, pela Direção dos Serviços para os Assuntos Laborais, indicam que as empresas de Macau contrataram…
FMI prevê que economia de Timor-Leste deverá crescer 3,5% em 2024

FMI prevê que economia de Timor-Leste deverá crescer 3,5% em 2024

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia timorense vá crescer 3,5% neste ano de 2024, de acordo com…