Guiné-Bissau: Umaro Sissoco Embaló confiante na moeda comum da CEDEAO

O Chefe de Estado guineense e Presidente em Exercício da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) defende que a “moeda comum da CEDEAO se torne um instrumento catalisador na alavanca para impulsionar as trocas comerciais”.

Umaro Sissoco Embalo falava esta terça-feira (24.1) na abertura do seminário parlamentar da CEDEAO sobre a moeda comum e o pagamento interbancário, que decorre em Bissau, de 24 a 26 de Janeiro.

“O sistema monetário que se pretende criar no espaço da CEDEAO vai dar um novo e grande impulso a nossa integração regional e vai cimentar, mais fortemente, os laços de amizade, solidariedade e cooperação que unem os nossos países e povos irmãos”, frisou Umaro Sissoco Embalo.

Embaló afirmou ainda que “a expectativa legítima dos Estados Membros é de que a moeda comum da CEDEAO se torne um instrumento catalisador para impulsionar as trocas comerciais e, por via disso, uma maior integração e um forte crescimento económico capaz de garantir o desenvolvimento sustentável de todos os países membros”.

De acordo com o Chefe de Estado guineense, “a tarefa de pôr de pé a Moeda Comum da CEDEAO e o Sistema de Pagamento Interbancário como Promotores do Comércio regional, representa uma tarefa complexa que interpela a classe política e necessita uma larga e inclusiva reflexão por parte de todos os interessados”.

O Presidente guineense lembrou que espaço CEDEAO engloba 15 países e economias distintas. “São diferentes pela sua dimensão territorial e importância demográfica pela capacidade de cada país de produzir e criar riquezas e de se inserir vantajosamente numa economia globalizada”, observou.

Cipriano Cassamá subscreve

Na mesma ocasião, o presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP) da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá disse que “é preciso igualmente mitigar as potenciais desvantagens, sobretudo para as economias menos avançadas e com uma capacidade produtiva ainda muito incipiente, como a nossa, como sejam com o aumento da concorrência, o risco de conduzir ao colapso das nossas pequenas e médias empresas, entre outras” disse Cassamá, sublinhando todavia que “ter uma moeda única ajudaria a eliminar barreiras comerciais e monetárias, reduzir os custos das transacções, impulsionar as actividades económicas e elevar os padrões de vida das nossas populações”.

“É incontestável que o projecto de criação de moeda única no espaço da CEDEAO é extremamente aliciante para a nossa Organização, para os países membros, e principalmente para os nossos povos”, realçou.

“Olhando para os objectivos que a Organização se propõe realizar, com especial ênfase para a criação do mercado comum, a abolição dos direitos aduaneiros, a supressão dos obstáculos à livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais, sem mencionar a criação de uma união económica, acredito que o caminho aponta necessariamente para a criação da moeda única na região da CEDEAO, que vai abranger uma área de 5, 2 milhões de quilómetros quadrados, uma população de 400 milhões de habitantes e um PIB combinado de 734,8 mil milhões de dólares, o que por si só constituem uma mais-valia em caso da criação da moeda única”, frisou Cipriano Cassamá.

Mamandin Indjai

(foto arquivo)

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Paulo Porto Fernandes destaca “desconto nos impostos” como destaque do programa PNAID

Paulo Porto Fernandes destaca “desconto nos impostos” como destaque do programa PNAID

Um benefício que prevê a redução em 50% dos impostos nos primeiros anos é o destaque do Programa Nacional de…
Rússia e Angola têm encontros bilaterais

Rússia e Angola têm encontros bilaterais

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, chega a Angola nesta terça-feira, 24 de janeiro, para encontros bilaterais.…
Guiné-Bissau: Líder do PAIGC apela militantes a fiscalizarem o recenseamento eleitoral

Guiné-Bissau: Líder do PAIGC apela militantes a fiscalizarem o recenseamento eleitoral

O presidente do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), Domingos Simões Pereira, apelou aos seus militantes…
Moçambique: Primeiro Ministro do Lesoto visita Teatro Operacional Norte

Moçambique: Primeiro Ministro do Lesoto visita Teatro Operacional Norte

O Primeiro-Ministro (PM) do Reino de Lesoto, Sani Matekane, visitou, este fim de semana, o contingente militar do seu país,…