Ministro da Economia da Guiné-Bissau confirma que não haverá aumento salarial na Função Pública

O ministro do Estado da Economia e Finanças, João Aladje Fadiá, informou, esta terça-feira, 03 de outubro, em conferência de imprensa conjunta com a missão do Fundo Monetário Internacional, que não se pode fazer o reajuste salarial e o aumento salarial na Função Pública este ano 2017, como tem sido as exigências da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné – Central Sindical, devido à falta de aprovação do Orçamento Geral de Estado (OGE) pelos deputados.

Há dois anos que o executivo guineense está a funcionar com duodécimos, o que, na opinião do Ministro do Estado da Economia e Finanças, não permite o aumento e o reajuste salarial na administração pública no ano corrente. Contudo, João Aladje Fadiá diz que o governo está a trabalhar para concretizar os anseios da maioria dos funcionários públicos.

“Estamos a trabalhar, mas não quero antecipar as decisões do executivo, porque é o governo que vai decidir o que tem de fazer. O reajuste salarial pode ser para cima e para baixo. Pode representar uma carga, em termos de massa salarial, mais alta ou menos alta, dependendo do número de efetivos. É um trabalho que está a ser feito neste momento” avançou, adiantando que “este aumento tem que ser escrito no OGE, neste caso só em 2018 é que poderemos começar a aplicar aquilo que foi aprovado pela Assembleia Nacional Popular”. “Hoje estamos a 3 de outubro e janeiro é depois de amanhã. Portanto, não se pode fazer agora o reajuste de salário” explicou.

Sobre a situação do fornecimento de energia elétrica e o abastecimento de água que tem criado transtornos aos citadinos de Bissau, João Aladje Fadiá, prometeu, a curto prazo, melhorar a situação.

“Estamos perante um processo. De onde viemos e onde estamos hoje quase não tem comparação, está em curso um investimento muito significativo. Pensamos, a curto prazo, resolver todo o problema de energia em Bissau e em algumas localidades da Guiné-Bissau” disse João Aladje Fadiá.

Tiago Seide

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *



Artigos relacionados

Cabo Verde: Santo Antão sofreu redução “drástica” de turistas

Cabo Verde: Santo Antão sofreu redução “drástica” de turistas

A ilha cabo-verdiana de Santo Antão registou uma redução “drástica” no número de turistas em 2020, uma vez que foram contabilizados apenas 12.620 no ano passado. Este…
Moçambique: BM faz previsão económica positiva para o país

Moçambique: BM faz previsão económica positiva para o país

O Banco Mundial (BM) prevê que a economia moçambicana recupere gradualmente ainda neste ano de 2021. No entanto, alerta para os riscos significativos de uma queda, devido à incerteza sobre o caminho…
Timor-Leste: Ministério Público tem 2.577 processos pendentes

Timor-Leste: Ministério Público tem 2.577 processos pendentes

O Procurador-Geral da República de Timor-Leste, Alfonso Lopez, informou que o Ministério Público registou 2.577 casos pendentes a nível nacional. O anúncio foi…
Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

“Calígula morreu. Eu não“, espetáculo com encenação de Marco Paiva e texto da dramaturga espanhola Clàudia Cedó, chega à Sala…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin