Guiné-Bissau | Opinião

O grande dilema de Nuno Nabiam e da APU-PDGB

É do conhecimento público as diversas ocasiões em que a APU e seu líder foram conotados com a droga. A última dessas ocasiões aconteceu quando das recentes nomeações no Ministério do Interior, em que se pretendia indicar que o Nuno Nabiam estava sob a pressão dos seus parentes Balantas mergulhados na droga, para a recuperação da antiga rede de narcotráfico, liderada supostamente pelo António Indjai. Portanto, o foco do problema político, para Nabiam, não é o programa do Governo, mas as suspeitas do envolvimento deste governo na droga.

É que, para grande surpresa de todos, o país e os políticos têm recebido informações a conta-gotas, ainda não confirmadas nem desmentidas oficialmente, que apontam para um presumível envolvimento do Governo, especialmente do staff restrito do Primeiro-ministro, na importação desta droga que foi apreendida nas últimas semanas.

O mais grave para a APU e para Nuno Nabiam, é que uma das suas pessoas de confiança e da liderança do seu partido, fazem parte desse staff restrito do Gabinete do Primeiro-ministro. E mais perturbante ainda, presume-se que terá sido este dirigente da APU quem assinou o referido passaporte em questão.

É claro que a oposição, aproveitando estes factos políticos, vai fazer e está a fazer uma enorme pressão sobre o Nuno Nabiam, no sentido deste se retirar da coligação que sustenta o Governo do PAIGC e, consequentemente, deixar o governo cair.

O mais estranho de tudo, é que as pessoas que estão a ser acusadas não parecem fazer para se defenderem. Antes pelo contrário, parece que estão a evitar qualquer situação pública que possa leva-los a ter de falar sobre a situação. Aconteceu na Secretaria de Estado das Comunidades, quando o Bacai Sanha recusou sair do seu gabinete para atender as reclamações do Tony Tavares, Chefe de Gabinete na CCIAS.

O grande dilema da APU e para o seu presidente é o seguinte: i) vai sair da coligação e afastar-me destas suspeitas da droga, ou ii) manter-me na coligação e ser conotado com todas as consequências políticas que estão para chegar.

Na minha modesta opinião, acho que o Nuno Nabiam precisa distinguir dois fenómenos que, embora relacionados, são completamente distintos: i) o acordo de coligação e ii) a corrida as presidenciais.

Em relação à manutenção ou não do acordo, acho que devia separar os indivíduos responsáveis pelas suspeitas de envolvimento no negócio da droga, das instituições que sustentam e participam do acordo. Nesta linha, deveria provocar a saída do actual primeiro-ministro e seu staff restrito, incluindo o dirigente da APU, e guardar a coligação com o PAIGC.

Quem toma as decisões são as pessoas, embora em nome das instituições. Portanto, a haver consequências de uma suspeita de envolvimento, elas deveriam recair sobre os responsáveis e não sobre a instituição. Assim sendo, a APU deveria orientar a sua política, no sentido de preservar a coligação e afastar as pessoas suspeitas de envolvimento na droga. Em consequência desta opção política, a APU votaria a favor da queda do Governo, alegando as suspeitas de envolvimento na droga, mas mantinha-se na coligação, donde emergiria um outro governo da mesma coligação (PAIGC/APU).

A segunda opção, aquela que mais interessa aos partidos da oposição, é levar o APU a votar favoravelmente a queda do governo, mas para abandonar a coligação actual e ajudar a formar uma nova maioria.

Apresentando os fatos desta maneira, compreendo o dilema em que se encontra o candidato Nuno Nabiam, que também tem o DSP do PAIGC, como concorrente as eleições presidenciais.

Carlos Costa

2 Comentários

2 Comments

  1. José Pogna

    25/09/2019 at 10:14

    Isso está bem claro de onde Véio toda essa mentira mas estamos preste a chegar. E vocês sabem tudo isso e não sabe do membro de governo que começou a negociar essas conecxões desde embaixada na Colômbia e nem sabe quem financiou as viaturas que esta preste a chegar através de cefao e depois ja não sabe como o tal foi libertado da prisão e mandado embora para encobrir as provas e se um alto dirigente assinou o passaporte mas com mandado de alguém. e quem assinou a recepção do tal passaporte. Mas isso ñ foi suficiente ficando cada vez a falar da etnia balanta. So te digo uma coisa as provas ja estão com agente continua enviar mensagens para confundir as opinião pública.

  2. Mbana Ntchifna

    25/09/2019 at 12:40

    Quem é Carlos Costa? Vive a onde no momento?

    QUEM É PORTA VOZ DE APU? Será que ele não tem resposta a dar a Carlos Costa?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo