PAIGC espera que novo PR de Cabo Verde ajude a Guiné-Bissau

O líder do partido guineense PAIGC, Domingos Simões Pereira, esteve presente na tomada de posse do novo Presidente da República de Cabo Verde, José Maria Neves. A cerimónia decorreu nesta terça-feira, 09 de novembro, na Praia, capital cabo-verdiana. 

No final do evento, Simões Pereira disse à “Inforpress” que espera que Neves tenha a capacidade de reconhecer uma identidade africana a Cabo Verde e, nessa base, uma irmandade para ajudar a Guiné Bissau a reencontrar-se e a criar consensos. 

Para o dirigente guineense, a eleição de José Maria Neves é um “voto na certeza” por parte do povo cabo-verdiano, uma vez que considera ser “alguém com prova dada, com um percurso de vida em várias competências”, em que as probabilidades de algo de estranho acontecer são mínimas. 

“Nesta senda, espero aquilo que nós conhecemos de José Maria Neves, que é a capacidade de congregar, capacidade de reconhecer uma identidade africana a Cabo Verde e, nessa base, uma irmandade com a Guiné-Bissau, ajudando o país que neste momento passa por momentos mais difíceis em reencontrar e a criar os consensos possíveis para dela sair”, partilhou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin