Guiné-Bissau

Presidenciais Guiné-Bissau: As frases mais polémicas na campanha eleitoral

Comício de Nuno Nabiam

Apesar de a maior parte dos candidatos à Presidência da Guiné-Bissau terem prestado discursos sem grande conteúdo e de fraca qualidade, assim como ainda não apresentaram uma linha de campanha coerente, algumas frases marcaram, todavia, a pré-campanha e campanha que entrou na recta final. Uma recolha não exaustiva das frases mais polémicas.

Baciro Djá

“As divergências entre Domingos Simões Pereira, José Mário Vaz e Braima Camara suportam-se no clientelismo político”.

“A maior conquista dos guineenses e do legado de Amílcar Cabral foi a consolidação da unidade nacional. Hoje essa unidade nacional está em causa, muitos políticos estão a aproveitar-se das sensibilidades étnicas e religiosas para tirarem proveito político e isso é grave”.

“Quando o PAIGC está no poder há tráfico de droga. É uma casualidade ou uma realidade?”.

“Turbante não é para rapazinhos. Hoje, você vai à discoteca, vai aos bares, vê as pessoas a beberem bebidas alcoólicas com turbantes na cabeça ou na garganta. Turbante é para gente grande e não para rapazinhos”.

Domingos Simões Pereira

“Acho extraordinário que candidatos com telhados de vidro estejam a atirar pedras”.

“Nós tivemos um Presidente da República que violou tudo aquilo que são Constituição, leis, dispositivos e agora chega ao fim do seu mandato e faz tudo para que esse fim não se concretize”.

“Os meios à disposição do PAIGC para fazer a campanha eleitoral, representa a organização e a grandeza do nosso partido”.

“As pessoas que estão a vender os seus cartões [eleitorais], não vendem apenas os seus cartões, mas também a sua dignidade”.

Idrissa Djaló

“Neste momento, algumas pessoas estão a preparar-se para fazer destas eleições um grande carnaval”.

José Mário Vaz

“Nas minhas andanças pelo país constatei que não há estradas, hospitais, escolas e não há energia eléctrica. E questiono do paradeiro do dinheiro dos impostos que alguns dirigentes metem nos bolsos para resolver seus problemas e das suas famílias deixando o povo na penúria”.

“A minha decisão de exonerar o Governo [de Aristides Gomes] é irreversível”.

Nuno Nabiam

“Não deixaremos nunca que se fabriquem presidentes na Guiné-Bissau, têm de ser os filhos da Guiné-Bissau a votarem no Presidente de todos os guineenses”.

“O PAIGC está fragilizado e dividido”.

“O Presidente não pode andar a fazer negociatas”.

Umaro Sissoko Embaló

“Eu vou mesmo sugerir a pena de morte para os traficantes se for eleito”.

“O responsável por isto é o Domingos Simões Pereira e o PAIGC. Sempre que temos um Presidente do PAIGC, um primeiro-ministro do PAIGC e um presidente do parlamento do PAIGC há problemas”.

“Eu não sou daqueles que vão pedir dinheiro a Angola. Nunca pedi dinheiro a Angola, e nunca irei pedir. Essa cultura de os angolanos pensarem que somos um país pequeno, tem de acabar.

Vicente Fernandes

“Nos últimos cinco anos, o José Mário Vaz tentou dividir a raça e religião”.

© e-Global Notícias em Português
2 Comentários

2 Comments

  1. Chadvieira

    20/11/2019 at 0:04

    Só agora é que sabem tudo isso? Que hipocresía!

  2. Juliano Junior

    20/11/2019 at 0:55

    Mentirosos são Vicente Fernandes e Domingos Simões Pereira tem vocês são piores homens da Guiné Bissau, vão sem enganar burros , ladrões, palhaços e analfabetos como vocês. Mas vocês não podem enganar quem sabe e vê tudo . O PAIGC é o pior partido da Guiné Bissau, desde da sua história, e hoje é pior ainda mais . O partido está sendo administrador por um selvagem que não sabe nada e acha que é mais esperto de que todos. Um selvagem arrogante, maroto, mentiroso com Domingos Simões Pereira não pode ser dirigente dos macacos na selva muito menos das pessoas na cidade. Há um ditado que se diz em crioulo : ” Na terra di cegos ki di um udju kuta manda “

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo