Guiné-Bissau

PRS quer pacto de regime para salvar Guiné-Bissau

Foto: Global

A bancada parlamentar do Partido da Renovação Social (PRS) e os quinze deputados expulsos do PAIGC acusaram hoje o Juiz do Tribunal Regional de Bissau, Injonalano Mariano Indi, de “assaltar o processo que interpôs a previdência cautelar” em torno da crise vivida no parlamento guineense.

As acusações foram proferidas durante uma conferência de imprensa pelos parlamentares do PRS e os deputados destituídos que consideram ilegal a sessão parlamentar extraordinária na qual foi aprovada o programa do Governo, liderado por Carlos Correia.

A posição conjunta dos contestatários foi transmitida através de uma declaração lida pelo porta-voz do PRS, Victor Pereira.

Abel da Silva, um dos deputados expulsos do PAIGC, afirmou que o grupo pondera, por enquanto, recorrer da decisão do Tribunal Regional de Bissau, junto ao Supremo Tribunal de Justiça.

Por seu turno, Secretário-geral do PRS, Florentino Mendes Pereira assegurou que a segunda força política guineense só voltará a participar em sessões que entenda serem “legais”. Mas, de momento, propõe um pacto de estabilidade político nacional como via para “salvar a Guiné-Bissau”. A conferência de imprensa foi assistida pelas formações políticas extraparlamentares que, entretanto, apelaram ao Presidente da República, José Mário Vaz, a demitir o executivo do PAIGC.

Adão Ramalho

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo