Guiné Equatorial aposta em nova lei do petróleo

A Guiné Equatorial está a preparar uma nova lei do petróleo para aumentar o investimento. O anúncio foi feito pelo ministro das Minas e Hidrocarbonetos, Gabriel Mbaga Obiang Lima, durante uma conferência organizada pela Câmara Bilateral em Houston, nos Estados Unidos da América (EUA). 

O governante prometeu mais competitividade e menos burocracia às empresas petrolíferas internacionais, através dessa nova lei para regular o setor energético. O objetivo é atrair assim mais investimento. 

“Na era da transição energética e de forte competição pelo capital, é importante sermos pragmáticos e termos uma lei dos hidrocarbonetos que lide com as realidades de hoje e incentive o crescimento. Temos de ser mais competitivos, cortar a burocracia, promover o mercado livre, equilibrar o conteúdo local e criar mais emprego e aumentar a nossa base de receitas”, defendeu. 

Citado num comunicado da Câmara Africana de Energia, entidade destinada a promover os negócios energéticos no continente, o ministro informou que a Guiné Equatorial tem 1,5 biliões de pés cúbicos de reservas de gás natural e o equivalente a cerca de 1,1 mil milhões de barris de petróleo. Como tal, necessita de explorar estes recursos para assegurar o desenvolvimento de projetos de grande escala. 

“A Guiné Equatorial já se estabeleceu como um grande concorrente africano e global. Temos visto grande empresas, como Hess, Marathon, ExxonMobil, Devon, e Chevron, a explorarem os nossos hidrocarbonetos ao largo da costa com tremendo sucesso. Mas esta não é altura para pararmos e ficarmos confortáveis”, acrescentou. 

O país governado por Teodoro Obiang Nguema Mbasogo é o terceiro maior produtor de petróleo na África subsaariana, a seguir à Nigéria e a Angola. No entanto, tal como todos os outros, sofreu de forma significativa com os impactos da pandemia da Covid-19, além de registar uma quebra do preço do petróleo desde 2014. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin