Especial COVID-19 | Guiné Equatorial

Guiné Equatorial aumenta medidas de confinamento

Vice-Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Nguema Obiang Mangue
Vice-Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Nguema Obiang Mangue

A Guiné Equatorial decidiu adotar, pela primeira vez, o recolher obrigatório para combater os novos casos de Covid-19 que surgiram no país. Foram ainda tomadas outras medidas, como o encerramento de restaurantes, bares e discotecas.

O Governo decidiu igualmente limitar as ligações aéreas, segundo um decreto lido na televisão estatal nesta terça-feira, 09 de fevereiro.

Recorde-se que, no início de agosto, o país tinha flexibilizado as medidas restritivas, através da reabertura de locais de culto, bares e restaurantes. Depois surgiu um confinamento muito rigoroso, entre 15 de abril e 15 de junho, com recurso ao uso de armas pelas forças de segurança.

Agora, está em vigor um recolher obrigatório entre as 19:00 e as 06:00. O uso de máscara ainda é obrigatório em locais públicos.

Os “lugares de lazer” fecharam e permanecem abertos apenas os lugares de culto.

A Guiné Equatorial anunciou oficialmente, desde o início da pandemia,  5.614 casos de contaminação e 87 mortes. O decreto presidencial invoca “a agressividade da progressão da pandemia”, tendo as estatísticas passado de menos de 15 casos por semana, antes do final de 2020, para mais de 50 na atualidade, segundo os números comunicados pela televisão estatal.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo