Guiné Equatorial fecha fronteiras até 02 de janeiro devido à Ómicron

O Governo equato-guineense vai encerrar a partir de segunda-feira, 06 de dezembro, e até 02 de janeiro as suas fronteiras a voos internacionais. O motivo deve-se à Ómicron, nova variante do coronavírus, anunciada há uma semana na África do Sul

Segundo um decreto emitido pelo Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema, para os voos internos será exigido pelas autoridades o certificado PCR obrigatório, além do cartão de vacinação para cada passageiro no check-in e no embarque. 

“Os voos internacionais das companhias aéreas que operam na República da Guiné Equatorial são suspensos com efeitos a partir de 6 de dezembro deste ano até 2 de janeiro de 2022”, pode ler-se no documento, citado pela “Lusa”. 

É também mencionada a proibição da “entrada de viajantes de países onde a nova variante da SARS-CoV-2 foi identificada”, à exceção dos cidadãos equato-guineenses vindos do estrangeiro, que terão de cumprir uma quarentena. 

Vai ser ainda adotado o recolher obrigatório a nível nacional, a partir das 23h00 horas locais até às 06h00 horas locais do dia seguinte, durante o período previsto pelo decreto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin