Guiné Equatorial: FMI alerta para corrupção e reformas

O Fundo Monetário Internacional (FMI) alertou a Guiné Equatorial de que deve combater a corrupção e avançar mais rapidamente com as reformas. Tal deverá ser feito através do cumprimento das condições do Programa de Financiamento Ampliado, suspenso desde o início de 2021.

“Lidar com os desafios de corrupção e com as questões antigas de governação macroeconómica é crítico para garantir um crescimento inclusivo” do país, pode ler-se na declaração divulgada pela organização internacional.

O FMI prevê que o crescimento económico chegue aos 4,1%, interrompendo vários anos de recessão. No entanto, estima também que a Guiné Equatorial voltará depois ao vermelho, a partir de 2022, ano em que a economia deverá cair 1,5%. O número poderá manter-se negativo pelo menos até 2026.

Esta é a mesma declaração que acompanha o anúncio da disponibilização de uma assistência financeira de emergência ao país, no valor de 67,38 milhões de dólares norte-americanos. O dinheiro visa ajudar a recuperar das explosões em Bata e para aumentar o combate à Covid-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin