Guiné Equatorial garante a FMI que já não está em recessão económica

O Governo da Guiné Equatorial assegura que a sua economia registou uma contração de 6,8% em 2016 e que teve expansões económicas desde então, tendo enviado um documento com estes dados para o Fundo Monetário Internacional (FMI). De acordo com o próprio, o país já saiu da recessão económica em 2017 e obteve crescimentos de 7,3% nesse ano e de 3,4% em 2018.

A informação divulgada consta nas tabelas dos números oficiais enviados ao FMI ao abrigo da adesão ao programa avançado de disseminação de dados que a referida organização internacional encoraja os países a usar para promover a transparência nas contas públicas. Os últimos dados disponíveis são os de 2018, não havendo previsão para este ano.

No entanto, o FMI indica que os crescimentos económicos do país equato-guineense são negativos, podendo ver-se na sua página que os dados apontam para uma manutenção do crescimento económico negativo desde 2015 até 2023, prevendo um crescimento positivo, de 1,5% apenas em 2024.

Isto significa que enquanto a Guiné Equatorial garante que em 2017 cresceu 7,3%, o FMI contraria ao mencionar uma contração de 4,7%. Quanto ao ano passado, o país diz que cresceu 3,4% e o FMI realça que o crescimento foi negativo em 5,7%.

O programa avançado de disseminação de dados (Enhanced General Data Dissemination System, no original) é uma plataforma de apresentação dos dados oficiais de cada país, com o objetivo de “servir de ponto único de publicação para os dados macroeconómicos essenciais sobre as contas nacionais, operações governamentais e de dívida, setor monetário e financeiro, e balança de pagamentos”, segundo o comunicado distribuído esta quinta-feira, 30 de maio.

“A publicação de dados macroeconómicos essenciais através do site vai dar aos decisores políticos nacionais e acionistas internos e externos, incluindo investidores e agências de notação financeira, acesso fácil a informação que o FMI identificou como crítica para monitorizar as condições económicas e de políticas”, pode ler-se ainda no documento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Reino Unido continua a fornecer mísseis antitanque à Ucrânia

Reino Unido continua a fornecer mísseis antitanque à Ucrânia

O Governo do Reino Unido confirmou nesta quarta-feira, 09 de março, que irá continuar a fornecer mísseis antitanque à Ucrânia. Trata-se…
BRASIL: Brasileiros deixam a Ucrânia enquanto o país discute situação agroalimentar

BRASIL: Brasileiros deixam a Ucrânia enquanto o país discute situação agroalimentar

O governo brasileiro informou que a Embaixada do Brasil em Kiev “permanece aberta e dedicada, com prioridade, desde o agravamento…
Guiné-Bissau: Ninguém sabe qual dos 8 vice-presidentes pode substituir o presidente do PRS

Guiné-Bissau: Ninguém sabe qual dos 8 vice-presidentes pode substituir o presidente do PRS

A directiva assinada pelo presidente do Partido da Renovação Social (PRS), Alberto Nambeia, de 17 de Janeiro, mas conhecida só…
Moçambique: Ataques Macabros em Macomia

Moçambique: Ataques Macabros em Macomia

Terroristas atacaram numa emboscada no Domingo passado 06 de Março um grupo de milicianos denominado por força local da aldeia…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin