A imagem é liberada livre de copyrights sob Creative Commons CC0. Você pode baixar, modificar, distribuir e usá-los royalty free para qualquer coisa que você gosta, mesmo em aplicações comerciais. A atribuição não é obrigatória.

Guiné Equatorial: Governo detém funcionário das Nações Unidas por áudio partilhado no WhatsApp

O cidadão equato-guineense Feliciano Olo Ovono, que se apresenta como funcionário das Nações Unidas na Guiné Equatorial, é responsável por um áudio que se tornou viral nas redes sociais, avançou o “Diario Rombe”.

O conteúdo do áudio, gravado horas após uma reunião em que Olo Ovono participou como funcionário da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), juntamente com representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) na Guiné Equatorial, esclarece que o principal motivo do encontro foi “explicar o progresso da Covid-19 na Guiné Equatorial”.

Preocupado com a informação que os representantes da ONU transmitiram aos participantes, Olo Ovono tentou impedir que os equato-guineenses não seguissem as recomendações das Nações Unidas para combater esta pandemia, alertando os cidadãos a “serem muito cuidadosos com o coronavírus, por ser muito grave”.

De acordo com a fonte, “existe uma grande possibilidade de que, dentro de três semanas, ocorra um tremendo colapso das mortes por Covid-19”, o que implica que, “depois de três semanas, a Guiné Equatorial e muitos países africanos sofrerão o que a Europa sofreu semanas atrás e continua a sofrer”

O membro da UNESCO acusou o país de não estar a informar o que realmente se passa e, dois dias após ter feito a gravação para alertar a população, que foi partilhada por milhares de cidadãos através do WhatsApp, a coordenadora residente do Sistema das Nações Unidas na República da Guiné Equatorial, a senegalesa Mady Biaye, decidiu divulgar um comunicado.

No documento é referido que as Nações Unidas tentaram desvincular Olo Ovono dessa organização e que o visado não passa de “um motorista contratado pelo escritório local da UNESCO”. Biaye, que mantém, alegadamente, excelentes relações profissionais e privadas com as autoridades do Regime da Guiné Equatorial, acrescentou que no polémico áudio “as afirmações e acusações feitas por essa pessoa não refletem a opinião da representação da UNESCO nem do Sistema das Nações Unidas na República da Guiné Equatorial”, além de as mesmas violarem “os procedimentos e os regulamentos do pessoal empregado pelas Nações Unidas”. Antes deste ocorrido, disse ainda, a UNESCO já tinha aberto um arquivo disciplinar contra o funcionário.

Segundo a publicação, Feliciano Olo Ovono foi detido e interrogado durante mais de cinco horas, tendo depois sido libertado pelas autoridades equato-guineenses.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Banco de Moçambique cancela registo de 15 operadores de microcrédito

Banco de Moçambique cancela registo de 15 operadores de microcrédito

O Banco de Moçambique decidiu cancelar o registo de 15 operadores de microcrédito. Estes passam a estar assim proibidos de…
Cabo Verde e Suíça decidem facilitar vistos de curta duração

Cabo Verde e Suíça decidem facilitar vistos de curta duração

Cabo Verde e Suíça acordaram que vão facilitar a emissão de vistos de curta duração, divulgou o Ministério dos Negócios…
Timor-Leste: Debate de candidatos presidenciais adiado para 15 de março

Timor-Leste: Debate de candidatos presidenciais adiado para 15 de março

O Vice-Presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE), Domingos Barreto, informou que o debate público dos candidatos à Presidência da…
Moçambique: Maleiane ocupa cargo de primeiro-ministro

Moçambique: Maleiane ocupa cargo de primeiro-ministro

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, confere posse a Adriano Maleiane nesta sexta-feira, 04 de março. O ex-ministro da…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin