Guiné Equatorial: Governo repudia questionamento da UE sobre eleições

Presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang Nguema

O Governo equato-guineense manifestou, através de um comunicado, o seu repúdio em relação ao questionamento da União Europeia (UE) sobre a legitimidade democrática das eleições de 20 de novembro no país

No documento, divulgado pela Assessoria de Imprensa do partido PDGE, pode ler-se que o texto provém do Gabinete de Informação e Comunicação Diplomática do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação. 

“O Governo da República da Guiné Equatorial manifesta o seu retumbante repúdio ao lamentável questionamento por parte da União Europeia da legitimidade das eleições presidenciais, legislativas e autárquicas realizadas conjuntamente a 20 de novembro de 2022 no País, e dos seus resultados, contrários ao as conclusões oficiais das missões eleitorais enviadas por organismos intergovernamentais de renome internacional convidados como observadores, como a União Africana (UA), a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), juntamente com e organizações internacionais da sociedade civil”, é referido. 

“O Governo e o Povo da República da Guiné Equatorial repudiam a chantagem política da União Europeia, na medida em que o referido questionamento é desprovido de sentido e fundamento, uma vez que as referidas eleições foram avalizadas pelas missões internacionais de observação eleitoral acima referidas”, menciona ainda. 

Neste sentido, prossegue, “a União Europeia deve entender o ditado que diz que, para problemas africanos, soluções africanas. O Governo da Guiné Equatorial não convidou a União Europeia como observador às referidas eleições por constatada a sua falta de imparcialidade e a sua duplicidade devido a interesses ocultos em questões que afetam os países africanos, pelo que não pode ser considerado parte na solução dos ditos problemas”

O Governo não considera a UE “a organização mais adequada ou credível para dar lições de democracia aos Estados, nem para apelar ao diálogo político entre os seus atores políticos e sociais”, devido ao “historial de ingerência nos assuntos internos de outros Estados, nomeadamente da Guiné Equatorial”, e à alegada “nostalgia de regressar ao unilateralismo e de preservar o neocolonialismo”.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: Governo analisa Proposta da Estratégia da Política da Juventude

Moçambique: Governo analisa Proposta da Estratégia da Política da Juventude

O Governo moçambicano e os seus parceiros querem operacionalizar a Proposta de Estratégia de Implementação da Política da Juventude 2023-2024.…
Angola prevê crescimento económico de cerca de 3%

Angola prevê crescimento económico de cerca de 3%

O secretário de Estado para o Planeamento de Angola, Luís Epalanga, avançou que a economia do país deverá alcançar um crescimento…
Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

A Coligação PAI Terra Ranka e o Fórum para a Salvação da Democracia, que congrega MADEM-G15, PRS e APU-PDGB, reuniram…
Moçambique recebe mais USD 60 milhões do FMI

Moçambique recebe mais USD 60 milhões do FMI

Moçambique vai receber 60 milhões de dólares do Fundo Monetário Internacional (FMI), no âmbito do programa de assistência ao país. …