Guiné Equatorial mantém fronteiras fechadas devido à Covid-19

A Guiné Equatorial decidiu prolongar o fecho das fronteiras até fevereiro, de maneira a conseguir controlar a propagação de casos de Covid-19. As autoridades alargaram o horário do recolher obrigatório para entre as 19:00 e as 07:00, que anteriormente era entre as 23:00 e as 06:00. 

O motivo deve-se ao facto de o número de casos de Covid-19 no país ter aumentado significativamente nas últimas semanas, refere um decreto datado de 07 de janeiro. De acordo com dados do Centro Africano para Controlo e Prevenção de Doenças (Africa CDC), organismo da União Africana, a Guiné Equatorial registava, até sábado passado, um total de 14.401 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 e 177 mortes associadas à Covid-19 desde o início da pandemia. 

“Desde o mês de outubro de 2021 conseguimos superar a terceira vaga e mantivemos a pandemia sob controlo até ao início das festividades natalícias, mas novamente a 27 de dezembro detetámos uma subida dos caos positivos, que passaram de 11 casos diários para mais de 150 até ao dia de hoje [07 de janeiro], com um total acumulado de 450 novos casos em sete dias, pelo que se constata que o país está a enfrentar a quarta vaga, na qual é importante destacar que há um aumento de crianças infetadas”, pode ler-se no documento, citado pela “Lusa”. 

“Este aumento de casos deve-se, entre outras razões, pelo incumprimento sistemático da quarentena por uma percentagem importante da população nas fronteiras terrestres e aéreas, assim como por um relaxamento generalizado das medidas de prevenção durante as festividades natalícias e na passagem do ano”, indica. 

Os voos internacionais continuam então proibidos, a não ser para voos charter e com uma autorização prévia expressa. Ainda assim, nestes voos as autoridades obrigam a que todos os passageiros façam testes PCR na altura da compra e do embarque, além do comprovativo de vacinação. 

Os viajantes que chegam ao país pelas fronteiras terrestres e domiciliárias terão de ficar, obrigatoriamente, de quarentena num hotel durante cinco dias, devendo as despesas ser pagas pelos próprios, à exceção do pessoal diplomático. 

Já os transportes público e privado de passageiros entre distritos e províncias ficam limitados a 50%, exigindo-se apenas o certificado de vacinação. Para quem viaja entre as cidades de Bata, na parte continental do país, e Malabo (na ilha de Bioko), é também necessária a apresentação de um certificado de teste com o máximo de 48 horas. 

One Comment

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

África do Sul trava entrada ilegal de moçambicanos no país

África do Sul trava entrada ilegal de moçambicanos no país

As autoridades sul-africanas impediram a entrada ilegal de 40 moçambicanos no seu território, por ocasião do regresso de várias pessoas…
Comissão Mista Angola-Brasil reúne-se entre março e abril

Comissão Mista Angola-Brasil reúne-se entre março e abril

A Comissão Mista Angola-Brasil vai reunir-se entre março e abril para impulsionar as relações de cooperação bilateral.  Esta foi uma…
Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

Timor-Leste: PR diz que Brasil pode apoiar na autossuficiência na agricultura

O Presidente da República de Timor-Leste, José Ramos-Horta, partilhou publicamente que o Brasil pode apoiar o seu país a tornar-se…
Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Cabo Verde: PAICV comenta abandono da barragem de Canto de Cagarra

Os deputados do PAICV eleitos por Santo Antão alertaram nesta quinta-feira, 05 de janeiro, para a situação de abandono da…