Guiné Equatorial: ONGs afirmam que pandemia é “ameaça existencial para todos”

As organizações não governamentais (ONGs) que têm criticado o Governo equato-guineense alertaram que a pandemia da Covid-19 é “uma ameaça existencial para todos” e defenderam  que o Executivo tem de aumentar o apoio aos cidadãos mais necessitados.

A Comissão de Juristas Equato-guineenses e o Centro de Iniciativas de Estudos e Desenvolvimento divulgaram um comunicado com o título “Covid-19, uma ameaça existencial para todos nós”, onde pode ler-se que “a gravidade do momento pede que o Governo da Guiné Equatorial seja comedido e completamente transparente, e que as autoridades tomem todos os passos para garantir que todos os equato-guineenses, os pobres, vulneráveis, prisioneiros e desempregados tenham acesso a alimentação e cuidados médicos gratuitos”.

“É crítico que a garantia da obrigação de cumprimento dos direitos económicos e sociais aconteça simultaneamente com a obrigação de respeitar as liberdades políticas e civis que incluem os detidos ainda não processados”, referem ainda.

Estas ONGs declaram que os hospitais públicos e privados e as clínicas devem ser equipados de forma adequada, sendo necessário que o povo tenha acesso a água limpa para lavar as mãos, uma das medidas consideradas mais eficazes no combate ao novo coronavírus.

O comunicado menciona igualmente que o Governo deve ser transparente na apresentação dos números, lembrando que no dia 21 de março este aprovou um decreto presidencial com 8,2 milhões de dólares a serem destinados a um fundo de combate à Covid-19.Nos dias seguintes anunciou 15 casos, apesar de “o treinador da seleção nacional de futebol, citando o médico da equipa que também trabalha para o hospital nacional, ter colocado o número de casos acima de 100”.

O diretor executivo da ONG EG Justice, Tutu Alicante, disse que “o Presidente Obiang esbanjou a riqueza da nação em projetos de elefante branco em vez de construir clínicas de saúde, escolas e projetos sociais, como aqueles que permitiriam água potável para lavar as mãos, e que teriam um impacto positivo e melhorar as condições as condições de vida da população”.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um crescimento considerável do crédito à economia em 2023 para Moçambique.  Se isso se…
Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

O Governo angolano assegurou nesta quinta-feira, 24 de novembro, que vai entregar a proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE)…
Cabo Verde regista três casos da sub-linhagem da variante Ómicron “BQ.1.1”

Cabo Verde regista três casos da sub-linhagem da variante Ómicron “BQ.1.1”

Segundo a Ministra da Saúde de Cabo Verde, Filomena Gonçalves, desde o início de novembro houve um pequeno aumento dos…
Portugal reconhece qualificações académicas de 100 refugiados ucranianos

Portugal reconhece qualificações académicas de 100 refugiados ucranianos

A Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) de Portugal já reconheceu as qualificações académicas de cerca de 100 cidadãos ucranianos desde…