Guiné Equatorial pede auxílio emergencial ao FMI contra Covid-19

A Guiné Equatorial apelou ao Fundo Monetário Internacional (FMI) para que auxiliasse financeiramente o país no combate à pandemia da Covid-19. O pedido foi feito numa altura em que já se encontra em vigor um programa de assistência financeira desde 2019.

O pedido de ajuda foi feito pelo Presidente equato-guineense, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, durante a reunião dos chefes de Estado da Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC). No encontro estavam igualmente presentes a diretora executiva do FMI e o presidente do Banco Mundial.

O Instrumento Rápido de Financiamento (‘Rapid Financing Instrument’, RFI, em inglês) oferece assistência financeira urgente e está disponível para qualquer membro do FMI que tenha necessidades urgentes da balança de pagamento. O mesmo pode ser usado em praticamente qualquer circunstância, uma vez que o objetivo é fornecer rapidamente divisas ao país em dificuldades.

Na página oficial do Governo da Guiné Equatorial lê-se que o chefe de Estado “reafirmou o compromisso de continuar com as reformas estruturais consensualizadas” no programa de assistência financeira acordado com o FMI em dezembro de 2019, no valor de 282,8 milhões de dólares (cerca de 230 milhões de euros).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

O governo federal lançará um plano nacional de fertilizantes emdezembro, em meio à escalada dos preços desses produtos em todo omundo. O objetivo do conjunto de diretrizes é reduzir a extremadependência do Brasil de fornecedores internacionais. Em alguns casos,a importação chega a 95% do que o país consome, o que deixa oagronegócio, principal peso na balança comercial brasileira, muitosuscetível a crises internacionais, como a de agora.A meta, segundo o Ministério da Agricultura, é reduzir aparticipação estrangeira de, em média, 85% para algo em torno de 60%nos próximos 30 anos. Não resolverá a crise atual, que vai impactar asafra 2022/2023, mas pode minimizar futuros choques globais entre ofertae demanda.Os fertilizantes são compostos minerais usados para melhorar anutrição das plantas. “O solo brasileiro é naturalmente pobre emnutrientes e ácido, principalmente no Cerrado“, explica José CarlosPolidoro, pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de PesquisaAgropecuária) Solos.Os principais fertilizantes usados na agricultura são os do chamadogrupo NPK, em referência às letras que representam os elementos natabela periódica, em que N se refere aos nitrogenados (à base denitrogênio), P aos fosfatados (à base de fósforo), e K aos quecontêm potássio.Apesar de o lançamento coincidir com o agravamento da crise atual, elenão tem o objetivo de resolvê-la. “O plano não visava a uma açãoemergencial. É um plano estruturante, voltado para uma mudança depanorama em 30 anos, com ciclos. Começa com ações de curto até as delongo prazo“, disse Rangel.Carlos Vasconcelos – Correspondente
São Tomé e Príncipe: Desmarcada greve na Saúde

São Tomé e Príncipe: Desmarcada greve na Saúde

Foi desmarcada a greve dos profissionais da Saúde que estava prevista para hoje, dia 22 de novembro. O acordo para…
Moçambique: Proposta de PES e OE para 2022 é de 450 mil milhões de meticais

Moçambique: Proposta de PES e OE para 2022 é de 450 mil milhões de meticais

O Governo de Moçambique estima para 2022 uma despesa total no valor de 450.576,8 mil milhões, que corresponde a 40,1% do Produto…
Campanha #PortugalContraAViolência - Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres

Campanha #PortugalContraAViolência - Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres

Para assinalar o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, é hoje lançada a campanha #PortugalContraAViolência. A campanha…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin