Guiné Equatorial: PR critica países que querem “impor valores alheios”

O Presidente da República da Guiné Equatorial criticou a “perigosa tendência” de alguns países no que consiste a tentar “impor valores alheios” a outros Estados. Para Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, a democracia “não deve ser imposta”

“Observamos com enorme preocupação a perigosa tendência de alguns países de impor valores alheios sobre outros países, sem ter em conta a sua história, cultura, tradições e prioridades”, disse. 

As declarações foram feitas através de uma mensagem gravada em vídeo, que foi transmitido na 76.ª Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque. 

Para o governante, que está no poder há 42 anos, tornando-se assim o chefe de Estado há mais tempo em funções em África, “a democracia é uma boa forma de governabilidade, mas não deve ser imposta sem ter em conta a idiossincrasia, história e tradições dos povos”

A Guiné Equatorial, continuou, “é um Estado soberano que não interfere nos assuntos internos de outros países e espera que se respeite a sua soberania nacional e não se interfira nos seus assuntos internos”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin