Guiné Equatorial: Quase 100 empresas fora das listas do Estado

A Guiné Equatorial recuperou mais de 628 milhões de francos CFA através da luta anticorrupção, levada a cabo no país pelo Vice-Presidente, Teodoro Nguema Obiang Mangue. A informação consta em relatórios apresentados por uma comissão de Finanças, Economia e Planeamento. 

Os documentos foram apesentados ao governante no Palácio da África, em Bata. Nos mesmos é ainda referida a existência de 98 empresas que operam na Guiné Equatorial sem estarem listadas no Estado. 

Essas 98 empresas deverão ao Estado mais de mil milhões de francos CFA desde 2014. O Governo tem tentado resolver a situação através do diálogo com os responsáveis das empresas afetadas.  

No entanto, sabe-se que as visadas nunca foram submetidas às diferentes convocatórias efetuadas, nem mesmo nos meios de comunicação audiovisuais nacionais. 

Segundo Nguema Obiang Mangue, nenhuma das empresas a operar no território nacional cujos nomes figurem nesta lista apresentada pelo Tesouro irá ficar impune face ao combate à corrupção, que tem como objetivo contribuir para o desenvolvimento económico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin