Mercado de carbono no Brasil tem apoio do parlamento, mas depois de apoiar na COP26, Ministério do Meio Ambiente é contra

O projeto do vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), que regulamenta o mercado de carbono no Brasil, não tem apoio do
Ministério do Meio Ambiente, contradizendo a posição adotada na
COP26.  Trata-se da única resistência ao projeto, que consegue unir o
apoio tanto de oposicionistas quanto governistas. O principal
obstáculo para votação no momento é o Ministério do Meio Ambiente,
conforme conta seu autor.

O projeto recebe amplo apoio da oposição na Câmara dos Deputados,
conforme o líder do bloco, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ). “É
fundamental que a gente avance nessa direção, o mundo inteiro caminha
nesse sentido. É preciso não apenas criar o mercado de carbono, como
também criar uma taxação sobre mercados poluentes”
, defende.

Na ala governista, Marcelo Ramos também reconhece forte apoio vindo da
relatora Carla Zambelli (PSL-SP). “Não posso deixar de registrar o
esforço, dedicação e lealdade no diálogo da relatora”
, declarou. O
único foco de resistência para sua tramitação vem de uma
instituição que, em diversos momentos da COP26, afirmou defender a
regulação do mercado de carbono: o Ministério do Meio Ambiente.

“É surrealista que, havendo acordo na Câmara entre situação e
oposição para a votação, o empecilho venha justamente do Ministério
do Meio Ambiente”
, protesta Marcelo Ramos. O projeto já foi posto em
pauta duas vezes na Câmara, mas foi retirado em uma das vezes a pedido
de Joaquim Leite, que não justificou ao deputado ou à relatora o
motivo do pedido.

Carlos Vasconcelos – Correspondente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin