Mercado de carbono no Brasil tem apoio do parlamento, mas depois de apoiar na COP26, Ministério do Meio Ambiente é contra

O projeto do vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), que regulamenta o mercado de carbono no Brasil, não tem apoio do
Ministério do Meio Ambiente, contradizendo a posição adotada na
COP26.  Trata-se da única resistência ao projeto, que consegue unir o
apoio tanto de oposicionistas quanto governistas. O principal
obstáculo para votação no momento é o Ministério do Meio Ambiente,
conforme conta seu autor.

O projeto recebe amplo apoio da oposição na Câmara dos Deputados,
conforme o líder do bloco, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ). “É
fundamental que a gente avance nessa direção, o mundo inteiro caminha
nesse sentido. É preciso não apenas criar o mercado de carbono, como
também criar uma taxação sobre mercados poluentes”
, defende.

Na ala governista, Marcelo Ramos também reconhece forte apoio vindo da
relatora Carla Zambelli (PSL-SP). “Não posso deixar de registrar o
esforço, dedicação e lealdade no diálogo da relatora”
, declarou. O
único foco de resistência para sua tramitação vem de uma
instituição que, em diversos momentos da COP26, afirmou defender a
regulação do mercado de carbono: o Ministério do Meio Ambiente.

“É surrealista que, havendo acordo na Câmara entre situação e
oposição para a votação, o empecilho venha justamente do Ministério
do Meio Ambiente”
, protesta Marcelo Ramos. O projeto já foi posto em
pauta duas vezes na Câmara, mas foi retirado em uma das vezes a pedido
de Joaquim Leite, que não justificou ao deputado ou à relatora o
motivo do pedido.

Carlos Vasconcelos – Correspondente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Grécia quer cooperar com Angola na Segurança Marítima

Grécia quer cooperar com Angola na Segurança Marítima

A Grécia manifestou a Angola o seu desejo de estabelecer cooperação nos domínios da Segurança Marítima, Comércio, Turismo, Indústria, Agricultura e Inovação. Essa…
Moçambique: INGD alerta para risco de inundações e cheias

Moçambique: INGD alerta para risco de inundações e cheias

A presidente do Instituto Nacional de Gestão e Redução do Risco de Desastres (INGD) Luísa Meque, apelou às comunidades que residem nas…
Timor-Leste: Diáspora na Coreia do Sul enviou mais de USD 30 milhões

Timor-Leste: Diáspora na Coreia do Sul enviou mais de USD 30 milhões

Os trabalhadores timorenses na Coreia do Sul já enviaram para Timor-Leste, de 2009 a 2021, cerca de 39 milhões de dólares…
Cabo Verde: Plano Nacional de Habitação investe 1.500 ME até 2030

Cabo Verde: Plano Nacional de Habitação investe 1.500 ME até 2030

O Plano Nacional de Habitação de Cabo Verde estima um investimento de 1.500 milhões de euros até 2030. De acordo com a estimativa do referido…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin