Moçambique: Assessores do Edil de Maputo ameaçam Jornalistas

Um grupo de Jornalistas de diferentes órgãos de comunicação social sedeados e com representação na cidade de Nampula foram, na passada quinta-feira 24 De Março, intimidados pelos assessores do chefe da brigada Central da FRELIMO em assistência à mesma província, Eneias Comiche, e impedidos de questionar ao dirigente, que também é edil da cidade de Maputo, sobre as polêmicas taxas de poluição sonora e entre outras que agitam a opnião publica.

Segundo os jornalistas, o facto ocorreu por volta das 12 horas, na sala de sessões do Comité Provincial do Partido FRELIMO, quando estes posicionavam o seu equipamento para a conferência de imprensa de balanço da visita, de uma semana, realizada por Eneias Comiche àquela província.

Em diálogo sobre as possíveis perguntas, os jornalistas manifestaram vontade de, além de outras questões, abordar a polémica taxa de poluição sonora na cidade de Maputo, ao que os assessores declinaram. De acordo com os jornalistas presentes no local, um dos assessores chegou mesmo a afirmar, em tom de ameaça, que “Eu não vou permitir que isso aconteça. Quem abordar este tema aqui vai se dar mal, aqui estamos a tratar assuntos partidários.”

Intimidados, os jornalistas cumpriram com as ordens do assessor do Eneias Comiche, mas não deixaram de lamentar o sucedido, junto da assistente de imprensa do Secretário do Estado de Nampula, Yolanda Dambi, a quem estes imputam a responsabilidade de ter influenciado para que tal interferência e intimidação ocorresse.

Em virtude desta ocorrência, o MISA-Moçambique condena viementemente  este e quaisquer actos de interferência no trabalho dos jornalistas. Faz lembrar, ainda, que a cobertura jornalística de eventos de índole político, social, económico, ou qualquer outro, não pode e não deve ser condicionada ao tipo de perguntas a serem feitas.

 O MISA entende que, não estando predisposto a falar de determinados temas, o entrevistado ou seus assessores podem usar os mecanismos apropriados e legalmente previstos para manifestar a sua indisponibilidade, sem recurso à ameaça, lembrado, porém, que ao servidor público recai a responsabilidade de cumprir e fazer cumprir a Lei do Direito à Informação, independentemente da sua filiação partidária, sobretudo quando o assunto em causa está directamente relacionado à sua gestão.

Aurelio Sambo

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde e Angola avançam com cooperação na segurança social

Cabo Verde e Angola avançam com cooperação na segurança social

Os Governos de Cabo Verde e de Angola assinaram um protocolo de cooperação para que os povos possam beneficiar dos…
Cabo Verde: Olavo Correia é reconhecido como Melhor Ministro das Finanças em África

Cabo Verde: Olavo Correia é reconhecido como Melhor Ministro das Finanças em África

Olavo Correia, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças de Cabo Verde, foi reconhecido como o melhor Ministro das Finanças em…
Tanzânia vai acolher pela primeira vez a Cimeira africana das Pescas 

Tanzânia vai acolher pela primeira vez a Cimeira africana das Pescas 

A capital de Tanzânia, Dar-es-salam, vai acolher pela primeira vez, de 5 a 7 de Junho próximo a Cimeira Africana…
Angola e Vietname querem aumentar nível de cooperação

Angola e Vietname querem aumentar nível de cooperação

Angola e o Vietname têm como objetivo aumentar o quadro de cooperação bilateral na área da economia, além de quererem…