Brasil: Taxação de grandes fortunas será grande desafio do futuro ministro da Fazenda

A taxação de grandes fortunas deverá ser um dos principais desafios do futuro ministro da Fazenda do Brasil, Fernando Haddad, à frente da economia do país durante o próximo mandato, a partir de 2023.

Apesar de ser uma das principais bandeiras da chapa eleita na última eleição para diminuir as desigualdades dentro da política tributária brasileira, a medida poderá levar a uma evasão de investimentos para outros países, avaliam especialistas.

“Qualquer cogitação sobre este assunto levará os residentes fiscais brasileiros a investirem em países aos quais não tem o imposto sobre grandes fortunas”, avaliou Fernando Brandariz, advogado especializado em Direito Empresarial, que estimou que “muitas famílias brasileiras deverão transferir as suas residências fiscais para outros países.

“Na verdade, é possível criar até mesmo um impacto reverso no Brasil”, analisou.

A taxação está dentro da lista de medidas de Reforma Tributária debatida pelo grupo que ajudou a eleger Luiz Inácio Lula da Silva para o seu terceiro mandato. Além deste possível impacto, outro grande entrave em torno da proposta será a definição do conceito de grande fortuna, aponta esta fonte.

Brandariz explica que há dois projetos neste sentido em tramitação. Porém, a diferença de valores entre eles é muito grande.

“Um desses projetos compreende que grande fortuna equivale a um património superior a 2 milhões de reais, cerca de 400 ml euros, e o outro entende que deve ser acima de 10 milhões de reais, cerca de dois milhões de euros, para ser sujeito à tributação. A discussão sobre este valor será intensa”, destacou Brandariz.

E, de acordo com este advogado, o debate sobre a proposta é um caminho sem volta a partir de agora, por se tratar de uma promessa de campanha. Por outro lado, Brandariz acredita que a aprovação da taxação não deve ser rápida.

“O grande entrave acontece, mas a medida precisa ser discutida porque existe na Constituição Federal a obrigatoriedade da União em legislar sobre o tema”, esclareceu.

Ainda dentro desta taxação de grandes fortunas, também existe a proposta de aumentar o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer bens ou Direitos (ITCMD), que é de abrangência estadual e deve entrar nessa lista. Também existem duas propostas para ampliar a alíquota sobre a herança.

“Uma delas é um projeto no Senado, que sobe o limite de 8% para 16% do imposto sobre a herança e o outro se trata do Ofício CONSEFAZ 11/2015, que eleva a alíquota para 20%. O contribuinte deverá pensar em iniciar o planeamento sucessório. Discussão como essa não é muito feita nas famílias”, finalizou.

Ígor Lopes

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Estudo com 4 245 psiquiatras da Europa sobre o estigma associado à doença mental na prática clínica apresenta primeiros resultados

Estudo com 4 245 psiquiatras da Europa sobre o estigma associado à doença mental na prática clínica apresenta primeiros resultados

A promoção de uma cultura laboral que inclua iniciativas anti-estigma e a integração destas ações nos programas de formação em…
Moçambique: População ainda se mantém no posto administrativo de Mucojo apesar da ordem de evacuação

Moçambique: População ainda se mantém no posto administrativo de Mucojo apesar da ordem de evacuação

Ainda há população nas aldeias do posto administrativo de Mucojo, distrito de Macomia, apesar de ter sido decretada a evacuação…
Moçambique: Terroristas atacam Quissanga – sede e ilha Quirimba, em Ibo

Moçambique: Terroristas atacam Quissanga – sede e ilha Quirimba, em Ibo

O último fim-de-semana foi marcado por mais uma investida dos grupos terroristas, no distrito de Quissanga e na ilha Quirimba,…
Cabo Verde: Perfil do candidato Aquilino Varela

Cabo Verde: Perfil do candidato Aquilino Varela

Aquilino Varela é um educador, analista político e defensor apaixonado do desenvolvimento comunitário. Nascido e criado em Gil Bispo, Santa…