Moçambique: Acusação sugere que Nyusi recebeu subornos da dívida oculta

O despacho de Acusação do Tribunal distrital de Nova Iorque sobre as dívidas ocultas de Moçambique, que foi divulgado na Internet na passada sexta-feira, 04 de janeiro, refere que os mentores do projeto nunca tiveram interesse na proteção costeira ou na pesca de atum.

De acordo com o “CanalMOZ”, tudo foi feito com o único objetivo de obter dinheiro para fins privados, desde o topo do Governo de Moçambique, o que inclui o atual Presidente da República do país, Filipe Nyusi, até aos banqueiros estrangeiros que estruturaram os empréstimos.

Sabe-se ainda que existem mais cinco moçambicanos que receberam dinheiro das dívidas ocultas, além do ex-ministro das Finanças moçambicano, Manuel Chang. A referida acusação norte-americana aponta para o envolvimento de cinco suspeitos de origem moçambicana no negócio de mais de dois biliões de dólares que afundou a economia do país.

Existe agora um total de cinco indivíduos formalmente acusados pela justiça norte-americana de participação no esquema fraudulento das dívidas ocultas. Entre os suspeitos moçambicanos, o documento inclui dois nomes rasurados ao longo do texto, cuja identidade só será conhecida após o cumprimento de mandados de captura. Os outros três indivíduos são apenas identificados por “co-conspiradores”, que terão recebido dinheiro em transferências bancárias de contas sediadas nos Emirados Árabes Unidos e em Nova Iorque.

O envolvimento de moçambicanos neste caso é uma das razões que justifica que o mesmo esteja a ser investigado por um tribunal de Nova Iorque e não de Moçambique, com fundamento no código norte-americano do Acto das Práticas de Corrupção Estrangeiras, que condena o pagamento de subornos a membros de governos.

Além de Manuel Chang, antigo titular das Finanças entre fevereiro de 2005 e janeiro de 2015, a justiça norte-americana acusa o negociador libanês Jean Boustani, que era executivo do Privinvest Group, uma holding sediada em Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, detentora de um estaleiro naval, e três antigos banqueiros, que intermediaram empréstimos de dois mil milhões de dólares com garantias do Estado moçambicano, nomeadamente o neozelandês Andrew Pearse, antigo diretor do banco Credit Suisse, o britânico Surjan Singh, diretor no Credit Suisse Global Financing Group e a búlgara Detelina Subeva, vice-presidente deste grupo.

A primeira audição do caso das dívidas ocultas está marcada para o dia 22 de janeiro, uma data escolhida pelo tribunal norte-americano de Brooklyn.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

O ministro da Educação em Portugal, Tiago Brandão Rodrigues, reafirmou nesta sexta-feira, 11 de março, que as escolas portuguesas estão preparadas…
EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

Os Estados Unidos da América (EUA) e os aliados decidiram excluir a Rússia do regime recíproco normal que rege o…
Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que houve “certos desenvolvimentos positivos” nas conversações com a Ucrânia realizadas nesta sexta-feira,…
Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

O Xº Congresso do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) que deveria decorrer de 10 a…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin