Moçambique: Ângela Leão ouvida no julgamento das “dívidas ocultas”

A arguida Ângela Leão vai ser ouvida nesta quinta-feira, 16 de setembro, no julgamento das “dívidas ocultas”. Trata-se da nona indiciada no caso a estar presente em tribunal para uma audição.

Ângela Leão é acusada de ter cometido crimes de falsificação de documentos, abuso de confiança, associação para delinquir e branqueamento de capitais. De acordo com a acusação, a visada terá lesado o Estado moçambicano em nove milhões de dólares (cerca de sete milhões de euros).

Parte dos valores alegadamente recebidos terão sido aplicados na compra de imóveis de luxo e em outros investimentos imobiliários. Ao todo, a família Leão terá investido na província de Maputo 36 milhões de meticais (473 mil euros) para a reabilitação e aquisição de bens na residência familiar.

Ângela Leão e o marido Gregório Leão, ex-diretor do Serviço de Informações e Segurança do Estado (SISE), foram citados esta semana no julgamento pelo réu Fabião Mabunda. Também o arguido Cipriano Mutota chegou a mencionar a ré em julgamento, no final de agosto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin