Moçambique: Combatentes da Renamo recebem pensões vitalícias a partir de 2022

Cerca de mil guerrilheiros da Renamo, desmobilizados no âmbito do processo de Desmilitarização, Desmobilização e Reintegração (DDR), queixaram-se em agosto de não receberem subsídios há cerca de seis meses. A situação, exposta agora pelo jornal “O País”, aconteceu no distrito de Dondo, localizado na província moçambicana de Sofala. 

Na altura em que os referidos combatentes foram desmobilizados, ao longo do segundo semestre de 2020, foi estabelecido um subsídio mensal de acordo com o nível de cada um, que duraria um ano. 

Ao longo desse período o Governo deveria tratar do processo de pensões, de maneira a que, quando terminassem os subsídios de um ano, suportados pelas Nações Unidas, os visados passassem automaticamente a receber as pensões vitalícias do Estado. No entanto, os guerrilheiros só terão recebido subsídios referentes a seis meses. 

O Governo moçambicano e as Nações Unidas asseguraram há cerca de dez dias que os subsídios vão ser pagos. Entretanto, o líder da Renamo, Ossufo Momade, garantiu aos desmobilizados que “brevemente os subsídios serão pagos e as vossas pensões vitalícias começarão a ser pagas a partir de janeiro de 2022”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin