Moçambique: Credit Suisse assume culpa nas “dívidas ocultas”

O banco Credit Suisse decidiu assumir a culpa no polémico caso das “dívidas ocultas”. Neste âmbito, terá de pagar uma multa aos Estados Unidos da América (EUA) e ao Reino Unido que, tal como Moçambique, moveram processos judiciais contra esta entidade financeira em Londres. A multa é de 475 milhões de dólares (408 milhões de euros). 

Quanto ao banco russo VTB, realizou um acordo com as autoridades norte-americanas, através do qual irá pagar uma multa de seis milhões de dólares (cinco milhões de euros). 

Com estes desenvolvimentos, os advogados de Moçambique ganham mais argumentos no processo que estão a mover contra o Credit Suisse e a Privinvest, junto ao Tribunal Superior de Londres. Desta forma são colocados em causa os contratos de empréstimo e fornecimento de equipamento militar não terem respeitado as leis moçambicanas. 

No entanto, o Credit Suisse e o VTB permanecem, para já, livres das investigações que a Comissão de Mercado de Valores Mobiliários dos EUA movia contra eles, relacionadas com as “dívidas ocultas” de Moçambique, em que os dois bancos foram credores. 

Nesse processo houve pagamentos de comissões indevidas a pessoas ligadas às autoridades de Moçambique e a gestores da Privinvest.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin