Moçambique: Deputados debatem a necessidade de haver Provedor de Justiça no país

Alguns deputados e analistas moçambicanos estão a divergir sobre o papel do Provedor de Justiça em Moçambique, o que criou um debate no Parlamento acerca da necessidade de haver este cargo no país, segundo orgãos de comunicação locais. Enquanto uns dizem que a figura é irrelevante num país onde o Executivo tem um forte domínio sobre o judiciário, outros consideram-na útil para a garantia dos direitos dos cidadãos.

A discussão acerca do papel do Provedor de Justiça sucede após Isac Chande, que ocupa o cargo, ter apresentado esta quarta-feira, 31 de outubro, o seu informe anual à Assembleia da República, que foi considerado por alguns deputados e analistas como um documento repleto de lamentações.

“Que relevância tem um Provedor de Justiça num país como Moçambique, onde o Governo tem um largo domínio sobre os tribunais, Parlamento e o próprio Conselho Constitucional?”, questionou o jurista Edilson Francisco, que considera que o Provedor está a beneficiar de recursos que poderiam servir para tornarem o sistema judiciário mais independente e mais eficiente na atuação e funcionamento. Durante o debate, um deputado da Renamo questionou também o papel do Provedor de Justiça em Moçambique.

Segundo a Constituição do país, o Provedor de Justiça é um órgão do Estado, eleito pela Assembleia da República, que tem como função a garantia dos direitos dos cidadãos e a defesa da legalidade e da justiça na Administração Pública. No entanto, o analista Laurindos Macuácua afirmou que o Provedor de Justiça não exerce essa função, uma vez que não tem poder de decisão, “e não tendo poder de decisão, assume-se como uma autoridade moral, quando devia ser de grande respeitabilidade”.

Já o analista Moisés Mabunda declarou ser importante o papel do Provedor de Justiça num país onde o sistema de justiça e o Estado não alcançam todos os cidadãos. “Havendo mais instrumentos a que os cidadãos possam recorrer, penso que a figura de Provedor de Justiça é bem-vinda, porque sabemos que há muitas injustiças em todos os cantos; problemas nos empregos, nos bairros, na justiça”, sublinhou.

O Provedor de Justiça de Moçambique, Isac Chande, queixou-se esta quarta-feira, dia 31, que existem instituições do Estado e servidores públicos que não obedecem às decisões dos tribunais, tendo citado o nome de José Pacheco, chefe da diplomacia moçambicana, e referido que estes casos contribuem para a violação dos direitos humanos e ” falta de dever de colaboração” com a Provedoria de Justiça.

Chande afirmou que remeteu uma participação ao Ministério Público, por crime de desobediência, tendo mencionado entidades como o ex-ministro da Agricultura e Segurança Alimentar, José Pacheco, a secretária permanente da província da Zambézia, Elisa Sumane, o presidente do Conselho Municipal da Matola, Calisto Cossa, o presidente do Conselho Municipal da Cidade da Beira, Daviz Simango, e o director provincial de Saúde de Sofala, Chico Farnela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde alvo de interesse por parte de empresários angolanos

Cabo Verde alvo de interesse por parte de empresários angolanos

Cabo Verde recebeu uma delegação empresarial angolana que manifestou o seu interesse em investir no arquipélago. A deslocação teve como…
Angola: Governo quer mais investimento no setor privado até 2050

Angola: Governo quer mais investimento no setor privado até 2050

O secretário de Estado para o Planeamento de Angola, Milton Reis, informou que o Governo quer alcançar um maior investimento no…
Cabo Verde: Fundo Soberano tem 100 milhões de euros para investimentos nacionais

Cabo Verde: Fundo Soberano tem 100 milhões de euros para investimentos nacionais

O Fundo Soberano de Garantia do Investimento Privado (FSGIP) de Cabo Verde tem 100 milhões de euros disponíveis para servir de…
Moçambique: Governo vai passar a controlar preços no país

Moçambique: Governo vai passar a controlar preços no país

O Governo moçambicano informou que vai passar a determinar e a controlar, a partir das próximas duas ou três semanas,…