Moçambique: Empresário raptado este domingo em Maputo

Um empresário de 65 anos, de origem asiática, foi raptado, na manhã deste domingo, 11 de fevereiro, por volta das 08h30, na Rua Samuel da Bula, no prolongamento da Avenida Amílcar Cabral, próximo ao quartel da casa Militar na Cidade de Maputo, quartel responsável pela segurança do Presidente da República. 

Trata-se do segundo rapto ocorrido em Maputo, desde o início do ano, em plena luz do dia. Testemunhas relataram que uma viatura estacionou próximo ao estabelecimento comercial (Bottle Store) propriedade da vítima. Em seguida, dois homens armados entraram no local, disfarçados de clientes, ameaçaram os trabalhadores e levaram o empresário para a viatura dos mesmos e partiram, em alta velocidade, em direção à avenida Amílcar Cabral.

“Foi tudo muito rápido. Depois que a viatura saiu à pressa, ouvimos os funcionários dizendo: levaram o patrão, levaram patrão”, contaram testemunhas que estavam nas imediações do local.

“Ele estava a abrir o seu estabelecimento, quando dois homens se aproximaram e apontaram uma arma. Sem fazer barulho, levaram-no para uma viatura, que estava estacionada ali na porta e, posteriormente, saiu em sentido oposto ao quartel”, contou um vizinho que vive na mesma rua.

A Policia da República de Moçambique (PRM) já confirmou a ocorrência do crime e diz estar a trabalhar em coordenação com o Serviço Nacional de Investigação Criminal (SERNIC) para o esclarecimento do caso. De acordo com uma fonte policial, desde janeiro de 2023, as autoridades moçambicanas detiveram 38 pessoas envolvidas nos casos 13 casos de raptos já registados.

A onda de raptos que se verifica, em Moçambique, começou em 2011, afetando, sobretudo, empresários e respetivos familiares. Após um período de relativa estabilidade, os casos voltaram a aumentar nos últimos anos, principalmente nas capitais provinciais, com destaque para Maputo.

Entretanto, as autoridades admitiram, por várias vezes, o envolvimento de membros da polícia e de magistrado nestes crimes, cujas ramificações se estendem até a vizinha África Sul.

Recorde-se que recentemente, a Confederação das Associações Económicas (CTA) convocou uma conferência de imprensa para exigir ao Governo a operacionalização da Brigada Anti-rapto.

Aurélio Sambo – Correspondente

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Angola: Vice-Presidente recebe líder da OEACP–UE

Angola: Vice-Presidente recebe líder da OEACP–UE

A Vice-Presidente da República de Angola, Esperança da Costa, recebeu em audiência a líder da Assembleia Parlamentar da Organização dos…
Guiné-Bissau: Nuno Nabiam demite-se e qualifica Sissoco de “senhor absoluto”

Guiné-Bissau: Nuno Nabiam demite-se e qualifica Sissoco de “senhor absoluto”

O antigo Primeiro-ministro e conselheiro especial do Presidente da República, Nuno Gomes Nabiam demitiu-se das funções alegando a “falta de…
Guiné-Bissau: Venda ilícita de passaportes movimentou em dois anos 1.8 biliões de Fcfa

Guiné-Bissau: Venda ilícita de passaportes movimentou em dois anos 1.8 biliões de Fcfa

O Ministério do Interior da Guiné-Bissau informou esta segunda-feira, 19 de Setembro, ter detido 41 indivíduos de nacionalidade camaronesa, assim…
Angola: UE vai financiar novos projetos avaliados em 90 milhões de euros

Angola: UE vai financiar novos projetos avaliados em 90 milhões de euros

A União Europeia (UE) vai financiar, com 90 milhões de euros, quatro novos projetos, em Angola. O montante vai ser…