Moçambique: Frelimo propõe aprovação do PES e OE para 2019

A Assembleia da República vai debater entre esta terça-feira e quinta-feira, 04 a 06 de dezembro, a proposta do Plano Económico e Social (PES) e o Orçamento do Estado (OE) para 2019. Numa conferência de imprensa convocada esta segunda-feira, dia 03, a bancada da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) referiu que os dois documentos refletem as prioridades e os pilares do Programa Quinquenal do Governo 2015-2019, o que leva o partido no poder a querer aprovar a proposta.

O porta-voz da bancada da Frelimo, Galiza Matos Júnior, declarou que a proposta tem como objetivo continuar com a consolidação fiscal assente em quatro vertentes, sendo elas a melhoria das fontes de arrecadação de receitas, a racionalização da despesa pública, a reforma do setor empresarial do Estado e a autonomia faseada do Fundo de Pensões dos Funcionários e Agentes do Estado.

No que respeita ao PES, este propõe o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) para 4,7%, a manutenção da taxa de inflação média anual em cerca de 6,5%, o valor de 5.160 milhões de dólares norte-americanos em exportações de bens e reservas internacionais líquidas de cerca de 3.100 milhões de dólares, suficientes para cobrir seis meses de importações de bens não fatoriais.

Em relação ao OE2019, o executivo projeta para o próximo ano um crescimento económico de 4,7%, a ser suportado pelo desempenho dos setores dos recursos minerais e energia, pescas, agricultura, saúde, ação social, educação e administração pública. Está ainda prevista a redução dos níveis de inflação de 11,9%, em 2018, para 6,5%, em 2019, justificada pelas medidas tomadas nas áreas política, fiscal e monetária, bem como pela retoma do investimento estrangeiro.

Quanto à afetação dos recursos para 2019, o documento propõe que haja atenção no cumprimento das ações estratégicas prioritárias definidas para o Programa Quinquenal do Governo, nomeadamente a expansão da rede de infraestruturas para a dinamização da atividade económica, através dos setores da agricultura, indústria, energia e turismo, bem como o aumento da provisão e acesso à habitação e aos serviços de transportes e comunicações.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Angola: Vice-Presidente recebe líder da OEACP–UE

Angola: Vice-Presidente recebe líder da OEACP–UE

A Vice-Presidente da República de Angola, Esperança da Costa, recebeu em audiência a líder da Assembleia Parlamentar da Organização dos…
Guiné-Bissau: Nuno Nabiam demite-se e qualifica Sissoco de “senhor absoluto”

Guiné-Bissau: Nuno Nabiam demite-se e qualifica Sissoco de “senhor absoluto”

O antigo Primeiro-ministro e conselheiro especial do Presidente da República, Nuno Gomes Nabiam demitiu-se das funções alegando a “falta de…
Guiné-Bissau: Venda ilícita de passaportes movimentou em dois anos 1.8 biliões de Fcfa

Guiné-Bissau: Venda ilícita de passaportes movimentou em dois anos 1.8 biliões de Fcfa

O Ministério do Interior da Guiné-Bissau informou esta segunda-feira, 19 de Setembro, ter detido 41 indivíduos de nacionalidade camaronesa, assim…
Angola: UE vai financiar novos projetos avaliados em 90 milhões de euros

Angola: UE vai financiar novos projetos avaliados em 90 milhões de euros

A União Europeia (UE) vai financiar, com 90 milhões de euros, quatro novos projetos, em Angola. O montante vai ser…