Moçambique: Governo e Total decidem o que fazer em Cabo Delgado

O Governo de Moçambique e a Total vão decidir em conjunto as ações a tomar para eliminarem a causa que levou à declaração de “força maior” da petrolífera francesa no projeto de gás na província de Cabo Delgado.  

Nos casos em que uma situação de Força Maior persista por mais de quinze dias consecutivos, as partes reunirão imediatamente para analisarem a situação e acordarem as medidas a adotar para a eliminação da causa de Força Maior para o reinício, de acordo com o disposto neste contrato, do cumprimento das obrigações ao abrigo do mesmopode ler-se no contrato de concessão da exploração. 

Recorde-se que a declaração de “força maior” da Total consistiu na retirada de todo o pessoal que estava a trabalhar no projeto de exploração de gás natural, liderado pela petrolífera, na península de Afungi, no Norte do país. 

No documento divulgado foi igualmente esclarecido que o conceito de força maior “significa qualquer causa ou evento, fora do controlo razoável da Parte que alegue ter sido afetada por este evento e não imputável a essa Parte, e que esteja na origem do incumprimento ou mora no incumprimento”. 

Assim, “o termo Força Maior abrangerá fenómenos ou calamidades naturais incluindo, designadamente, epidemias, terramotos, tufões, relâmpagos, inundações, incêndios, explosões, guerras declaradas ou não, hostilidades transfronteiriças, bloqueios, insurreições, distúrbios da ordem pública, distúrbios laborais, greves, quarentenas e actos ilícitos do Governo”. 

No entanto, a Total já frisou publicamente que o projeto de gás em Moçambique não foi cancelado, mas sim suspenso até que as condições de segurança permitam o reinício dos trabalhos em Afungi. O projeto está avaliado em 20 mil milhões de euros, sendo o maior investimento privado em curso em África.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *



Artigos relacionados

Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

Estreia "Calígula morreu. Eu não" no D. Maria II, uma coprodução que junta Portugal e Espanha

“Calígula morreu. Eu não“, espetáculo com encenação de Marco Paiva e texto da dramaturga espanhola Clàudia Cedó, chega à Sala…
Moçambique: Governo promete igualdade de género

Moçambique: Governo promete igualdade de género

O Governo moçambicano reiterou o compromisso de trabalhar para garantir a igualdade de género no país, em conjunto com todos os intervenientes sociais. O foco, disse,…
Deputado Paulo Porto dedica mensagem à diáspora portuguesa

Deputado Paulo Porto dedica mensagem à diáspora portuguesa

O deputado Paulo Porto, eleito pelo círculo de fora da Europa, gravou uma mensagem para a diáspora portuguesa em virtude…
Timor-Leste sofre subida de denúncias de violência de género

Timor-Leste sofre subida de denúncias de violência de género

Os casos de violência de género reportados à justiça quase duplicaram em Timor-Leste, tendo estas denúncias sido feitas em vários municípios. Isto acontece depois…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin