Moçambique

Moçambique: Guterres condena terrorismo em Cabo Delgado

Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres
António Guterres

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, condenou os alegados massacres ocorridos na semana passada na província de Cabo Delgado. Os invasores armados terão submetido a população a maus-tratos, assassinado e destruído casas e bens, entre os quais infraestruturas públicas e privadas. 

Guterres disse estar “chocado com os recentes relatos de massacres perpetrados por grupos armados (…) em várias aldeias na província de Cabo Delgado, incluindo a decapitação e rapto de mulheres e crianças”. Esta afirmação pode ler-se num comunicado divulgado pelo porta-voz, Stephane Dujarric. 

As declarações do secretário-geral das Nações Unidas surgiram em consequência da veiculação pela imprensa nacional e internacional de informações relacionadas com o sequestro e a decapitação de mais de 50 pessoas na aldeia de Muatide, no distrito de Muidumbe. O crime terá ocorrido “num campo de futebol que se transformou num campo de extermínio”. 

Neste âmbito, o secretário-geral das Nações Unidas condenou então veementemente essa brutalidade atroz” e instou as autoridades moçambicanas “a conduzir uma investigação sobre esses incidentes e a responsabilizar os responsáveis”. 

António Guterres reiterou o compromisso da organização internacional que representa em continuar a apoiar a população e o Governo moçambicano na abordagem urgente das necessidades humanitárias imediatas e nos esforços para defender os direitos humanos, promover o desenvolvimento e prevenir a propagação do extremismo violento. 

Recorde-se que Cabo Delgado é alvo de frequentes ataques armados desde outubro de 2017. As mortes já terão ultrapassado a contagem de três mil vítimas, além de haver mais de 300 mil deslocados.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo