Moçambique: Mia Couto considera que Nhongo escolheu o seu fim

O escritor moçambicano Mia Couto afirmou que o líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo, Mariano Nhongo, escolheu o fim que teve. Recorde-se que o dirigente foi morto pelas Forças de Defesa e Segurança na segunda-feira, 11 de outubro. 

Mia Couto explicou o seu ponto de vista ao dizer que o Governo de Moçambique deu todas as possibilidades a Nhongo para dialogar e chegarem a um acordo pacífico. “Não se pode legitimar esta via de que, alguém que esteja em discordância com o Governo, fabrica uma pequena guerra e depois tenta com isso obter vantagem política”, defendeu. 

“Está aberta em Moçambique uma democracia em que as pessoas podem participar de uma outra maneira, cívica se usar a violência. Portanto eu acho que infelizmente, foi ele próprio, o Nhongo, escolheu este fim”, concluiu. 

As observações foram feitas nesta quarta-feira, 13 de outubro, na altura em que realizava em Maputo o lançamento do seu livro de contos intitulado “o Caçador de Elefantes Invisíveis”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin