Moçambique: Mia Couto considera que Nhongo escolheu o seu fim

O escritor moçambicano Mia Couto afirmou que o líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo, Mariano Nhongo, escolheu o fim que teve. Recorde-se que o dirigente foi morto pelas Forças de Defesa e Segurança na segunda-feira, 11 de outubro. 

Mia Couto explicou o seu ponto de vista ao dizer que o Governo de Moçambique deu todas as possibilidades a Nhongo para dialogar e chegarem a um acordo pacífico. “Não se pode legitimar esta via de que, alguém que esteja em discordância com o Governo, fabrica uma pequena guerra e depois tenta com isso obter vantagem política”, defendeu. 

“Está aberta em Moçambique uma democracia em que as pessoas podem participar de uma outra maneira, cívica se usar a violência. Portanto eu acho que infelizmente, foi ele próprio, o Nhongo, escolheu este fim”, concluiu. 

As observações foram feitas nesta quarta-feira, 13 de outubro, na altura em que realizava em Maputo o lançamento do seu livro de contos intitulado “o Caçador de Elefantes Invisíveis”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: PAICV diz que Porto Novo vive "um dos piores momentos da sua história"

Cabo Verde: PAICV diz que Porto Novo vive "um dos piores momentos da sua história"

O PAICV considera que o município do Porto Novo atravessa “um dos piores momentos da sua história”, devido às “más decisões políticas” do Governo atual. A maior formação…
Portugal usa fundo de 1,2 ME para vítimas de terrorismo em Moçambique

Portugal usa fundo de 1,2 ME para vítimas de terrorismo em Moçambique

Portugal anunciou que vai disponibilizar um fundo de 1,2 milhões de euros, dos setores público e privado, para apoiar as…
Marcelo Rebelo de Sousa recebe mensagem de João Lourenço

Marcelo Rebelo de Sousa recebe mensagem de João Lourenço

O ministro das Relações Exteriores de Angola, Téte António, foi recebido em audiência pelo chefe de Estado português, Marcelo Rebelo de Sousa, nesta…
Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

A recente demissão de Fernando Gomes das funções de Procurador-Geral da República (PGR) apanhou o país de surpresa, mas justifica-se…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin