Moçambique

Moçambique: Momade comenta ações belicistas da Junta Militar

Ossufo Momade, presidente da Renamo
Ossufo Momade

Um grupo de homens armados disparou na passada terça-feira, 27 de abril, contra a residência de um líder local no posto administrativo de Caprizagem, localizado na província de Tete. Não foram registados feridos. 

Após o ataque, os autores dos disparos deixaram uma carta na qual se identificaram como sendo integrantes da Junta Militar da Renamo. Segundo os próprios, o sucedido visava a reivindicação da liderança do maior partido da oposição em Moçambique, cargo ocupado por Ossufo Momade, tal como o têm feito desde meados de 2019. 

Momade reagiu, entretanto, perante o sucedido, tendo voltado a considerar infundado e sem nexo o posicionamento do grupoAssim, voltou a fazer o convite ao dirigente da autoproclamada Junta Militar, Mariano Nhongoe aos seus seguidores para aderirem ao processo de Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR). 

“É desumano atacar civis e FDS [Forças de Defesa e Segurança] para reivindicar a presidência da Renamo. Nem os civis e muito menos as FDS fazem parte da liderança da Renamo, nem são nossos membros. Houve um congresso onde fomos eleitos democraticamente, começou por dizer. 

Dentro da Renamo há espaços para contestar seja o que for. Não se justifica pegar numa espingarda e disparar contra pessoas, matá-las e destruir os seus bens, porque estão contra Ossufo Momade. É absurdo. Os problemas do partido resolvem-se dentro do partido. Condenamos esta atitude e convidamos a Junta Militar a abraçar o DDR e contribuir na consolidação da paz no país, pois este e o nosso foco neste momento”prosseguiu. 

As afirmações foram feitas na Beira, à margem da cerimónia de lançamento da semana Afonso Dhlakamaex-presidente da Renamo. O evento tem como objetivo homenagear e imortalizar os feitos do antigo dirigente.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo