Moçambique: Momade defende responsabilização dos culpados das “dívidas ocultas”

O presidente da Renamo, Ossufo Momade, defendeu que os culpados pelas “dívidas ocultas” devem ser responsabilizados, independentemente da posição dos mesmos na sociedade.

“Os moçambicanos estão a sofrer hoje por causa deste dinheiro. Nós não podemos perdoar um ladrão. Nem que este ladrão seja Presidente, Ministro, Diretor Nacional ou filho de um Presidente, o seu lugar deve ser na cadeia”, afirmou.

“Por isso nós encorajamos os magistrados para que façam o máximo para satisfazer aos moçambicanos. Porque os moçambicanos estão atentos, querem ouvir o resultado que vai sair deste julgamento”, acrescentou.

O dirigente quer ainda que os autores da fraude sejam obrigados a devolver “o dinheiro roubado do povo moçambicano”.

As declarações foram feitas perante os membros do principal partido da oposição em Moçambique no distrito de Machanga, na província de Sofala.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin