Moçambique: Observação independente das eleições em Marromeu dá vitória à Renamo

De acordo com os dados tornados públicos pela agremiação Votar Moçambique esta segunda-feira, 03 de dezembro, em Maputo, é sugerido que os órgãos eleitorais possam ter recorrido à fraude para favorecerem a Frelimo no resultado da repetição das eleições autárquicas efetuada em Marromeu a 22 de novembro, onde o partido no poder saiu oficialmente vencedor.

O jornal “@Verdade” partilhou os dados da referida agremiação, que dá a vitória à Renamo em todas as oito mesas de votação, realizada para escolher os membros da assembleia autárquica e do presidente do conselho autárquico de Marromeu. O Votar Moçambique – um consórcio formado por seis organizações da sociedade civil, sendo eles o MASC, o IESE, o CIP, o CESC, o FORCOM e a WLSA – observou a repetição do escrutínio com o apoio do Instituto Eleitoral para a Democracia Sustentável em África (EISA) e denunciou uma suposta viciação dos resultados do apuramento parcial.

Na mesa com o código 07127-01, na qual estavam inscritos 800 eleitores, havia 544 votos na urna no final do sufrágio, dos quais 270 eram a favor da Renamo, 228 da Frelimo, 27 do MDM, cinco em branco e 14 nulos. No entanto, nessa mesma mesa, os resultados terão sido alterados durante o apuramento intermédio para 753 votos na urna, sendo 601 da Frelimo, 103 da Renamo, 42 do MDM, três em branco e quatro nulos.

Todos os cadernos eleitorais tinham um máximo de 800 eleitores, como recomenda a lei. Mas na contagem feita na mesa 07127-03, os votos na urna foram modificados de 438 para 811 e a distribuição pelos partidos políticos concorrentes deixou de ser favorável à Renamo, com 305 votos apurados na mesa, colocando a Frelimo em larga vantagem, que passou de 108 votos no apuramento parcial para 590 no apuramento intermédio.

As alterações ocorreram alegadamente nas restantes assembleias de voto que funcionaram nas escolas 25 de Junho e Samora Machel, na vila de Marromeu, à exceção da mesa 07127-06, onde a contagem do Votar Moçambique e da Comissão Distrital de Eleições (CDE) coincide, mas com a Renamo em larga vantagem.

No final do processo, a Renamo tinha uma vitória significativa, com 67,52%, contra 19,25% da Frelimo, o que a torna vencedora da autarquia da vila de Marromeu para o Votar Moçambique, que confirmou a ocorrência das várias irregularidades reportadas pelos órgãos de comunicação social e sublinhou a necessidade de os indivíduos criarem condições para que os fraudulentos sejam punidos severamente.

No entanto, segundo o edital da Comissão Nacional de Eleições (CNE) divulgado na semana passada, a Frelimo e a Renamo têm uma diferença de apenas 46 votos, o que significa que o partido no poder teve 8.395 (45,78%), seguido da Renamo, com 8.349 (45,53%), e do MDM, com 1.594 (8.69%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

Portugal pondera aumentar número de turmas para crianças ucranianas

O ministro da Educação em Portugal, Tiago Brandão Rodrigues, reafirmou nesta sexta-feira, 11 de março, que as escolas portuguesas estão preparadas…
EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

EUA banem Rússia do regime normal de comércio internacional

Os Estados Unidos da América (EUA) e os aliados decidiram excluir a Rússia do regime recíproco normal que rege o…
Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

Rússia: Putin fala em "desenvolvimentos positivos" com a Ucrânia

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que houve “certos desenvolvimentos positivos” nas conversações com a Ucrânia realizadas nesta sexta-feira,…
Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

Guiné-Bissau: Providência Cautelar provoca novo adiamento do Congresso do PAIGC

O Xº Congresso do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) que deveria decorrer de 10 a…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin