Moçambique

Moçambique: Observador eleitoral assassinado na província de Gaza

O Diretor Executivo do Fórum das Organizações Não Governamentais de Gaza (FONGA), Anastácio Matavel, foi assassinado no domingo, 06 de outubro, na cidade de Xai-Xai, localizada na província de Gaza. As identidades dos autores do crime permanecem ainda desconhecidas.

De acordo com as informações divulgadas, Matavel seguia na sua viatura na altura em que um grupo de cinco indivíduos o alvejaram com uma arma do tipo AKM na zona da Mocita, tendo a vítima perdido o controlo do veículo e embatido no muro de uma residência. Após o sucedido, os assassinos fugiram no sentido Norte, mas envolveram-se num acidente, do qual um deles perdeu a vida no local e outro, gravemente ferido, acabou por morrer no Hospital Provincial de Xai-Xai. Há três atacantes a monte.

Existem indicações de que os criminosos terão ligação a algum ramo das forças governamentais especiais, o que, a confirmar-se, relembra os “esquadrões da morte” criados em 2012 e que atacaram vários opositores do partido Frelimo, como se acredita ter sido o caso dos assassinatos de Gilles Cistac, Filipe Jonasse Machatine, Aly Jane, José Manuel, Jeremias Pondeca e Mahamudo Amurane.

Após ter sido atingido, o responsável do FONGA foi evacuado para o hospital ainda com vida, onde acabou por falecer horas depois, numa situação da qual não se tem detalhes. Não havia ninguém do Comando Provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) para fazer declarações, devido à tolerância de ponto para as celebrações do Dia da Cidade de Xai-Xai.

Anastácio Matavel desempenhava as funções de Diretor Executivo do FONGA com alguma contestação por parte dos seus associados, o que originou uma crise dentro da organização. Neste período de campanha eleitoral, para além de ser observador do processo eleitoral, o malogrado era, igualmente, Diretor Executivo da plataforma “Sala das Paz/Gabinete de Crise sobre Eleições”.

Matavel tornou-se na 36.ª vítima de uma das mais mortais campanhas eleitorais de Moçambique, tendo a atual arrancado a 31 de agosto, com vista às eleições gerais de 15 de outubro. Durante o primeiro mês da mesma foram registadas 34 mortes, a maioria causada por acidentes de viação.

A Sala da Paz, uma plataforma de observação eleitoral conjunta, já se pronunciou sobre o ocorrido, condenando o sucedido. O porta-voz da plataforma, Albino Mussuei, exigiu um rápido esclarecimento do caso.

“Queremos pedir e apelar à consciência de todos os moçambicanos, sobretudo as pessoas ou entidades ligadas ao processo de investigação criminal, para poderem, o mais breve possível, explicar as razões profundas que estão detrás deste acto macabro. Em nome da sociedade civil moçambicana condenamos veementemente este acto e pedimos a celeridade no esclarecimento deste assunto”, afirmou.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo