Moçambique: Primeiro Ministro fez visita oficial a Palma

O Primeiro Ministro de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário,  visitou na passada quinta-feira, 07 de outubro, a sede distrital de Palma, um dos locais que foi alvo de ataques mortíferos e devastadores perpetrados por terroristas.

A população que vai regressando gradualmente às suas zonas de origem acorreu massivamente à Vila Sede onde o PM orientou um breve encontro. Nos seus semblantes era visível o misto de sentimentos entre o trauma causado por todas situações más que passaram e a esperança de voltarem a viver dias melhores com a estabilização das condições de segurança no norte de Cabo Delgado.

A visita do PM surge numa altura em que o  Governo moçambicano acaba de lançar um instrumento orientador que vai (re)lançar as bases para a recuperação do tecido social , da reconstrução de infra-estruturas sociais e  públicas e privadas. Estima-se que cerca de 30 mil pessoas podem ter retornado às suas zonas de origem em Palma após a concentração em Quitunda.

No encontro com algumas pessoas afectadas pelas acções terroristas Carlos Agostinho do Rosário transmitiu mensagens de esperança à população e exortou para que haja uma maior vigilância para reduzir o espaço de manobra de gente infiltrada e com agendas obscuras que culminam com assassinatos de pessoas civis e inocentes de forma indiscriminada.

PRIMEIRO MINISTRO DEFENDE REFORÇO DA VIGILÂNCIA NAS ZONAS LIBERTADAS

O regresso das vítimas do terrorismo para as zonas consideradas livres em Cabo Delgado deve ser feito de forma cautelosa de modo a evitar que membros do grupo armado voltem às aldeias e vilas, e retomar os ataques terroristas, segundo o dirigente político.

“Há muitas pessoas que estão a chegar das matas. Outras querem vir à Palma, e o Governo está a trabalhar para reconstruir o que foi destruído. Porém, isso tem que ser feito com segurança, para evitar que haja infiltrações de terroristas, porque não queremos mais mortes e destruições,” explicou Carlos Agostinho do Rosário.

“Nós não queremos mais terrorismo, por isso pedimos para não alinharem com essas agendas de destruir, de matar crianças, velhos e mulheres, e vamos continuar vigilantes, colaborando e denunciando qualquer movimento estranho às Forcas de Defesa e Segurança, às tropas do Ruanda e da SADC, que vieram à Moçambique para ajudar ao Governo a repor a paz em Cabo Delgado”, apelou o Primeiro-Ministro.

Em Palma, o Primeiro-Ministro visitou quase todas infraestruturas do Estado que foram destruídas durante os ataques terroristas de 24 de Março último.

Aurelio Sambo – Correspondente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin