Moçambique: Protecção Social só consegue cobrir 18% da população que vive na pobreza

Apenas 18% dos agregados familiares moçambicanos que vivem na pobreza beneficiam dos programas de assistência social básica. O Instituto Nacional de Acção Social (INAS) e as organizações da sociedade civil que trabalham em prol dos desfavorecidos dizem ter consciência da exclusão dos restantes 82% da população, também carenciada e vulnerável, mas alegaram à imprensa esta segunda-feira, 29 de outubro, que há falta de recursos para combaterem o problema.

O INAS e as 32 organizações da sociedade civil ligadas à Plataforma da Sociedade Civil para a Protecção Social (PSCM-PS) reconhecem que os valores atribuídos aos 18% beneficiários ainda são muito baixos, segundo o jornal “@Verdade”. De acordo com os dados do Relatório Final do Inquérito ao Orçamento Familiar (IOF 2014/15) divulgados, os agregados familiares em Moçambique “gastaram em média 6.924,00 meticais/mês [99,16 euros], o equivalente a 1.406,00 meticais [20,11 euros] por pessoa, sendo que a média/mês da área urbana se encontra acima da média nacional, com 11.889,00 meticais [170,19 euros], (2.360,00 meticais per capita), e a da área rural abaixo com 4.654,00 meticais [66,68 euros], (956,00 meticais per capita). Refira-se que a despesa média mês da área urbana é mais que o dobro da área rural”.

O Governo moçambicano aprovou este ano um decreto de revisão de subsídios a que têm direito os grupos vulneráveis em diferentes programas implementados pelo Ministério do Género, Criança e Acção Social (MGCAS), através do INAS. Segundo o diretor nacional de Acção Social, Moisés Comiche, o valor mais baixo é de 540 meticais (7,73 euros) e o mais elevado é de 10.500 meticais (150,22 euros). Neste último caso, o fundo é destinado a meios de compensação, que podem ser próteses, cadeiras de rodas, entre outros.

Apesar da Acção Social e de outras entidades reconhecerem que o sistema de proteção social tem vindo consolidar-se desde a implementação da Estratégia Nacional de Segurança Social Básica (ENSSB), ainda existem problemas relacionados com a eficácia, eficiência e, principalmente, transparência no processo de transferências monetárias.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: Assembleia Provincial de Niassa disponibiliza 3,5 toneladas para deslocados de Namapa em Cabo Delgado

Moçambique: Assembleia Provincial de Niassa disponibiliza 3,5 toneladas para deslocados de Namapa em Cabo Delgado

Resultante de contribuição voluntária de membros da Assembleia Provincial, 3,5 toneladas de produtos de primeira necessidade incluindo arroz e milho,…
Estudo indica que técnicas de Machine Learning permitem a diminuição de falsas previsões de crises de epilepsia

Estudo indica que técnicas de Machine Learning permitem a diminuição de falsas previsões de crises de epilepsia

Um estudo liderado pelo Departamento de Engenharia Informática (DEI) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC)…
Tanzânia quer apostar no ensino profissional para reduzir desemprego e aumentar o crescimento económico

Tanzânia quer apostar no ensino profissional para reduzir desemprego e aumentar o crescimento económico

Com objectivo de diminuir lacunas de habilidades e promover o crescimento económico, a Tanzânia pretende construir, nos próximos anos e…
Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Na Diocese de Tacna e Moquegua, que cobre uma vasta área na região do Altiplano, entre os Andes e o…