Moçambique: Renamo considera “insulto” aumento dos combustíveis

A Renamo declarou que é “um insulto” o aumento do preço dos combustíveis em Moçambique, uma vez que a situação vai agravar o custo de vida do povo. A crítica foi feita pelo porta-voz do partido, José Manteigas, durante uma conferência de imprensa. 

O representante da principal formação política no país realçou que esta subida de preços ocorreu poucas semanas após o Governo ter determinado o aumento de 5% no salário mínimo nacional. 

Manteigas lembrou o elevado índice de desemprego em Moçambique, que agravou com as regras definidas para travar a pandemia da Covid-19, e que a consequência imediata da nova medida levará a uma subida geral de preços, principalmente nos produtos de primeira necessidade e nos transportes públicos. 

Neste âmbito, a Renamo exige ao Executivo que encontre uma estratégia para subsidiar os preços dos produtos de primeira necessidade e a tarifa nos transportes públicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin