Moçambique: Ruanda aumenta número de militares em Cabo Delgado

O Presidente do Ruanda, Paul Kagamé, anunciou na quarta-feira, 30 de novembro,  o envio de mais um contigente de tropas. Actualmente, Cabo Delgado conta com mais de 2500 tropas ruandesas entre polícias e militares. O líder ruandês falava na cerimónia de tomada de posse dos ministros recém-nomeados.

A pedido do governo moçambicano, o Ruanda enviou inicialmente, em julho deste ano, 1.000 militares e policias para Cabo Delgado, local onde insurgentes ligados ao Estado Islâmico continuam a causar estragos desde Outubro 2017. Paul Kagame disse que a operação inicial foi um sucesso e agora Ruanda e Moçambique concordaram em perseguir os terroristas para onde eles se estão a mudar.

“Aumentamos as tropas porque desde a nossa chegada a Moçambique muitos problemas foram resolvidos, em colaboração com a força moçambicana. Nas áreas em que operamos, o problema foi resolvido completamente. Mas como os terroristas fugiram para outras áreas ainda no norte de Moçambique, não conseguimos chegar a todas as regiões”, disse.

Kagame acrescentou que “aparentemente, os terroristas fugiram para outras áreas, além do escopo de nossas operações. Acordámos com o Governo moçambicano em perseguir os terroristas onde eles estão agora. É isso que vamos fazer.” O Presidente disse ainda que todas as operações das tropas ruandesas em Cabo Delgado foram inteiramente patrocinadas pelo orçamento do Ruanda.

“Para deixar claro, temos aumentado as tropas desde a nossa chegada. Não há um único país ou organização que nos tenha dado sequer uma única moeda para usar nessas operações. É o dinheiro do nosso país que usamos”, disse.

“Com os poucos recursos que temos, compartilhamos com os outros. Algumas pessoas disseram que nos apoiarão; estamos à espera. Se eles nos ajudarem, nós apreciaremos. Deveria ter acontecido ontem, mas nunca é tarde demais para ajudar. Eu queria esclarecer isso porque algumas pessoas pensam que alguém pode ter nos enviado dinheiro secretamente ou o quê. Contribuímos com os poucos meios que temos e sacrificámos a vida dos nossos filhos e a dos moçambicanos”, acrescentou ainda o Presidente Kagame.

Refira-se que as operações conjuntas das forças Ruanda, Moçambicana e da SADC em Cabo Delgado, onde os terroristas já mataram mais de 4.000 civis e deslocaram dezenas de milhares, resultaram até aqui com a reconquista de várias vilas e Porto de Mocimboa da Praia que estava sob contolo dos terroristas desde 2017.

Aurelio Sambo – Correspondente

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Moçambique: Atraso de salários gera greve no município de Nacala

Moçambique: Atraso de salários gera greve no município de Nacala

Mais de setecentos funcionários e agentes do Estado afetos ao Conselho autárquico de Nacala, na província de Nampula, encontram-se em…
Cabo Verde: UCID comenta mensagem de Ano Novo do PR

Cabo Verde: UCID comenta mensagem de Ano Novo do PR

O líder da UCID, João Santos Luís, comentou nesta terça-feira, 03 de janeiro, a mensagem de Ano Novo do Presidente…
Brasil: Lula assina primeiros decretos para o novo governo

Brasil: Lula assina primeiros decretos para o novo governo

No dia em que assumiu a presidência do Brasil pela terceira vez, Luiz Inácio Lula da Silva assinou vários decretos…
Moçambique: Arrancou a edição de 2023 do Recenseamento Militar

Moçambique: Arrancou a edição de 2023 do Recenseamento Militar

Arrancou ontem, 03 de janeiro, em Moçambique, o processo de Recenseamento Militar edição 2023, sob o lema: “Recenseamento Militar: Promovendo…