Moçambique: Setor agrário tem fundo de 16.5 milhões de dólares

Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional (USAID) vai disponibilizar cerca de 16.5 milhões de dólares norte-americanos a Moçambique. Este dinheiro, que deverá ser gerido pelo Absa Bank Moçambique e cuja iniciativa tem uma duração de seis anos, servirá para financiar projetos agrícolas em todo o país africano

Uma das principais limitações para o desenvolvimento da cadeia de valor é o baixo financiamento para os projetos agrícolas em Moçambique. Para mudar a situação, o Governo norte-americano e a referida instituição financeira assinaram um acordo para o financiamento em questão. 

No total, trata-se de cerca de 30 projetos que poderão ser abrangidos. Estes devem ter a capacidade de produzir para responder às necessidades internas do país, cujo setor agrícola representa 23% do Produtor Interno Bruto (PIB). 

“Este financiamento tem o potencial de apoiar o crescimento do sector agrícola, pois ao aumentar a capacidade financeira dos produtores, a renda dos mesmos também vai aumentar significativamente”, afirmou o diretor da Banca Corporativa e de Investimento do Absa Bank Moçambique, Bernardo Aparício. 

Para aderirem ao financiamento, os interessados terão de reunir todos os critérios exigidos, como a concepção de projetos viáveis, capazes de desenvolver o setor, principalmente aqueles que poderão contribuir para o abastecimento do mercado interno e que envolvam vários intervenientes da cadeia de valor. 

Por sua vez, a diretora da USAID, Helen Pataki, referiu que o fundo deve ser capaz de gerar mais emprego nas zonas rurais e que os produtos a serem gerados possam ser exportados pelo bem da economia local. 

“Gostaríamos de enfatizar a nossa preocupação conjunta em envolver cada vez mais a mulher rural e a mulher empreendedora no acesso ao crédito, mas também em dar mais oportunidade para que elas participem em atividades produtivas e geradoras de rendimento”, sublinhou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Cabo Verde: Correia e Silva quer Economia Digital a valer 25% do PIB

Cabo Verde: Correia e Silva quer Economia Digital a valer 25% do PIB

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, tem como meta fazer com que a Economia Digital contribua com 25% do Produto Interno Bruto (PIB). Este objetivo…
Grécia quer cooperar com Angola na Segurança Marítima

Grécia quer cooperar com Angola na Segurança Marítima

A Grécia manifestou a Angola o seu desejo de estabelecer cooperação nos domínios da Segurança Marítima, Comércio, Turismo, Indústria, Agricultura e Inovação. Essa…
Moçambique: INGD alerta para risco de inundações e cheias

Moçambique: INGD alerta para risco de inundações e cheias

A presidente do Instituto Nacional de Gestão e Redução do Risco de Desastres (INGD) Luísa Meque, apelou às comunidades que residem nas…
Timor-Leste: Diáspora na Coreia do Sul enviou mais de USD 30 milhões

Timor-Leste: Diáspora na Coreia do Sul enviou mais de USD 30 milhões

Os trabalhadores timorenses na Coreia do Sul já enviaram para Timor-Leste, de 2009 a 2021, cerca de 39 milhões de dólares…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin