Entrevista | Moçambique

Não há Portugal em África sem Moçambique, mas também não há Moçambique na Europa sem Portugal, diz Lutemba

Elias Lutemba, primeiro-secretário da Frelimo em Portugal, concedeu uma entrevista à e-Global quando prepara-se para partir rumo à margem sul para mais um comício. A campanha já vai longa, admite, tanto em Portugal, país da Europa que alberga a maior comunidade moçambicana, como em Moçambique. Mas, Elias reforça que o mais importante é que todos votem no dia 15 de Outubro. Sem dúvidas quanto à continuidade da Frelimo no poder, por uma questão de “continuidade do projeto”, argumenta que o desafio maior do país neste momento é a manutenção da paz.

Como se encontra a comunidade moçambicana residente em Portugal e como se faz este acompanhamento na altura de preparar as eleições?

O comité central dá muita importância e ênfase a Portugal, visto que é o maior círculo eleitoral fora de África, aquele que alberga mais moçambicanos. Contudo a comunidade moçambicana está muito dispersa, por isso temos três comités no Porto, Algarve e Coimbra, e a partir daí dirigimos os nossos esforços para chegar a vários sítios. Já trabalhámos em Cascais, Barril, Odivelas, em todo o Alentejo e hoje vamos para a margem Sul, Seixal, Almada… A mensagem que se pretende transmitir é que as pessoas devem ir votar.

A comunidade moçambicana, na sua maioria, encontra-se bem integrada em Portugal?

A comunidade moçambicana é bastante diversificada, há estudantes, trabalhadores e outras pessoas, entre as quais, muitos portugueses, que vieram para Portugal depois do 25 de Abril, mas ainda sentem uma forte ligação com o Moçambique. E muitos são membros do nosso partido. O maior problema, que subsistia desde a década de 70 era o problema da documentação, as pessoas tinham de ir a Moçambique tratar de documentos, mas hoje, as pessoas já podem tratar de tudo na embaixada. A maior reclamação prende-se também com as ligações aéreas, uma vez que só a TAP faz a ligação com Moçambique e isso deveria mudar, por causa dos elevados preços. Há também só um canal de televisão privado moçambicano que chega a Portugal e não há espaço para o contraditório, mas isso também irá mudar…

A campanha eleitoral está a ser longa…

45 dias…

E pela primeira vez vão ser eleitos governadores. Acha que Portugal está a dar o devidor elevo à cobertura das eleições em Moçambique?

Acho que a nível da imprensa escrita está a ser dado algum destaque, nota-se que é mais ativa e conhecedora da realidade moçambicana. Já ao nível do audiovisual devia haver mais espaço de antena para o que tem estado a acontecer ao longo dos últimos tempos. A RTP tem estúdios em Moçambique, mas até agora tem se visto muito pouco, talvez porque Portugal também vai ter eleições agora…

A Campanha foi marcada por vários acidentes, alguns deles mortais. Os acidentes rodoviários têm sido constantes, o que terá de ser feito para alterar esta situação?

Ao nível das obras públicas há muito a fazer. Dois anos depois de 1975, Moçambique entrou numa guerra civil e isso fez com que as zonas Centro e Centro Norte, principalmente, perdessem estradas, houve vias férreas foram arrancadas… Essa situação estendeu-se também a Sul e isso foi impedindo que o país recuperasse as suas infra estruturas. Depois surgiram as intempéries em 2000, com as cheias, e quando o governo se restabelecia finalmente, surgíramos cortes no apoio externo – devido à situação das dívidas ocultas -, foram quatro anos difíceis. Agora, recentemente, o caso dos ciclones… Mas, a zona Centro e Centro Norte continuam até hoje a ter os maiores problemas, a Estrada Nacional terá de ser reconstruída. O país ainda se está e reerguer, e é por isso é que deve haver continuidade no poder.

Assusta-o o dia depois das eleições? Acha que de algum modo pode voltar tudo ao início? Ou Moçambique já atingiu uma certa maturidade democrática?

Não vou ser hipócrita e dizer-lhe que não nos assusta. Assusta! Há mais de 40 partidos em Moçambique, não é só a RENAMO ou a Frelimo. Infelizmente este é o 3º acordo de paz e é sempre perto das eleições. Parece que se assinam acordos de paz para viabilizar eleições. Não temos muita certeza de como é que os nossos irmãos da RENAMO irão reagir, pois também têm problemas internos por resolver. Mas temos esperança que os resultados sejam aceites por todos os partidos. O poder está nas autarquias e é preciso perceber que das três maiores cidades, Nampula, Beira, Zambézia, a Frelimo só governa em Maputo, e isso tem sido aceite pelo partido

Quais são os grandes desafios que a Frelimo terá pela frente se ganhar as eleições?

As pessoas precisam de dormir sem ouvir um tiro, precisam de viajar pelo país sem ouvir o barulho das balas. A atenção também deve ser virada para Cabo Delgado, para que os cidadãos sintam que também estão a ganhar qualquer coisa, sintam em casa que a riqueza também lhe chega a eles. É preciso também restabelecer a confiança das instituições internacionais. Qualquer país que viva sob a alçada do FMI não consegue desenvolver-se. Os moçambicanos também precisam de ter confiança nas instituições internas, pois os investidores só virão se sentirem que há justiça. O Presidente, Filipe Nyusi tem referido ao longo da campanha a necessidade de aliviar a carga burocrática e reduzir a corrupção. Por isso, os problemas já estão identificados.

Há vários jovens moçambicanos a estudarem Portugal que se queixam da falta de qualidade do ensino em Moçambique. Não só em relação às Universidades mas também às escolas básicas e secundárias. De que forma é que está a ser feita essa mudança?

O Governo lançou um programa para que todas as escolas do país tivessem carteiras para as crianças se sentarem nas salas de aula. Estendeu-se também o ensino gratuito por todo o país. Espera-se também que os jovens estudantes que estão a estudar fora voltem ao país para ajudar a implementar novas medidas. Mas têm de se perceber que, até hoje, os salários nunca deixaram de ser pagos, apesar da grave crise económica. Temos noção que os conflitos que ainda subsistem em Moçambique, é por falta de formação, uma vez que uma pessoa formada, educada, sabe que não se resolve nada pelo uso da violência. Mas, volto a dizer, o primeiro passo é garantir a paz e a seguir vem a construção de hospitais e escolas. As dificuldades das bolsas em Portugal existem, mas nunca o Estado moçambicano decretou o regresso de quaisquer estudantes por falta de apoios financeiros, há atrasos, sim, mas o Estado tem feito um esforço enorme e as bolsas chegam. Tem sido feita uma aposta na educação, pois não há outra maneira de desenvolver um país.

À luz dos recentes acordos económicos feitos entre Portugal e Moçambique, como vê esta aproximação dos dois países?

Quando Portugal atravessou a grave crise económica entre 2009 e 2011, mais de 100 mil vistos foram emitidos para que os portugueses se instalassem em Moçambique, nós somos a porta de entrada para os empresários portugueses, que partindo de Moçambique podem entrar no Botswana, África do Sul, Zimbabwé. Estamos por isso muito felizes com a maior flexibilidade em relação à emissão de vistos por parte da CPLP. Em 2009 a situação não era assim, hoje em dia os trâmites entre os consulados de Portugal e Moçambique têm vindo a agilizar-se. A verdade é que não há Portugal em África sem Moçambique, mas também não há Moçambique na Europa sem Portugal. Temos uma relação umbilical.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo