Moçambique

OIM alerta para riscos na entrega de ajuda humanitária no norte de Moçambique

Dezenas de milhares de pessoas continuam a fugir da insegurança na província de Cabo Delgado, em Moçambique, afetando a capacidade do governo e dos seus parceiros humanitários de fornecerem ajuda, informou a agência de migração da ONU, OIM.

Num comunicado divulgado na terça-feira, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) indicou que preocupações com a segurança impediram de chegar a vários distritos do norte e do litoral.

Mais de 33.000 pessoas mudaram-se para o sul apenas na semana passada, de acordo com dados da IOM, enquanto houve um aumento significativo de pessoas deslocadas na área para mais de 355.000, de cerca de 88.000 no início de 2020.

A OIM reiterou o seu compromisso de prestar assistência aos que foram deslocados nos distritos onde puder operar.

A organização identificou abrigo, saúde de emergência, proteção e apoio psicológico, acesso a saneamento e água e comida como necessidades urgentes para as pessoas deslocadas, que estão a fugir principalmente para Pemba.

A Chefe da Missão da OIM em Moçambique, Laura Tomm-Bonde, disse que os relatos de violência contra civis no norte de Moçambique são “profundamente perturbadores”.

“A equipa da OIM está a ajudar milhares de famílias, incluindo muitas com crianças pequenas, a sobreviver à provação do deslocamento. Em cooperação com o Governo de Moçambique, a OIM, como parte da ONU, está a fornecer assistência humanitária imediata. Mas os recursos disponíveis não cobrem as extensas necessidades humanitárias das famílias que chegam sem nada após o deslocamento”, disse Tomm-Bonde.

Violência em Cabo Delgado

Os ataques na província de Cabo Delgado começaram em 2017, mas a intensidade aumentou este ano, com os insurgentes a assumir o controlo de cidades importantes por curtos períodos e visando militares e outros alvos importantes.

A ONU apontou recentemente que houve um aumento da violência na região nas últimas semanas com assassinatos, sequestros e destruição de aldeias. No entanto, observou que as dificuldades de acesso às áreas afetadas tornaram extremamente difícil verificar esses relatos.

Na semana passada, a imprensa local informou que militantes radicais mataram mais de 50 pessoas depois de atacarem várias aldeias no espaço de poucos dias.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo