Renamo persegue dirigentes da Frelimo em Sofala

O chefe do povoado de Muzuanguguni, posto administrativo de Vunduzi, distrito da Gorongosa, província de Sofala, Paulo Tomo José, foi morto a tiro por alegados homens da Renamo na madrugada da última terça-feira.

Paulo José, 62 anos, era membro da Frelimo e um adversário da Renamo que pretende controlar esta região, confluência dos distritos da Gorongosa, Cheringoma e Maringué.

O jornal Diário de Moçambique diz, na sua edição de hoje, que a Frelimo de Sofala tem vindo a denunciar a Renamo por  perseguição seletiva e o rapto dos seus dirigentes nos distritos da Gorongosa, Maringué, Chibabava e Nhamatanda.

Estas ações estão a aumentar o exôdo das populações locais rumo ao Malawi

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: Frelimo preocupada com acidentes de viação

Moçambique: Frelimo preocupada com acidentes de viação

O secretário-geral da Frelimo, Roque Silva, declarou que a prevenção dos acidentes de viação e o combate à Covid-19 devem ser reforçados. Isto porque, segundo o…
Portugal regista mais 3.194 infetados por covid-19 e ultrapassa os 900 mil casos desde o início da pandemia

Portugal regista mais 3.194 infetados por covid-19 e ultrapassa os 900 mil casos desde o início da pandemia

O boletim epidemiológico, divulgado pela Direção Geral da Saúde esta sexta feira, refere que o número de casos confirmados de…
Presidente da Guiné-Bissau pede melhor tratamento para guineenses em Cabo Verde

Presidente da Guiné-Bissau pede melhor tratamento para guineenses em Cabo Verde

O chefe de Estado da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, considerou “inaceitável” que houvesse rumores de guineenses barrados à entrada dos aeroportos em Cabo Verde, país onde se…
Timor-Leste: Dirigentes querem demissão de vice-primeira-ministra

Timor-Leste: Dirigentes querem demissão de vice-primeira-ministra

Dirigentes políticos timorenses defenderam nesta sexta-feira, 09 de julho, que a vice-primeira-ministra, Armanda Berta dos Santos, deveria demitir-se por motivos de “ética política”.  A…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin